Rússia x Ucrânia

Internacional Rússia não vê condições para fim 'pacífico' do conflito na Ucrânia

Rússia não vê condições para fim 'pacífico' do conflito na Ucrânia

Governo da China enviou documento com 12 pontos para a condução de um tratado de cessar-fogo entre Moscou e Kiev

AFP
Resumindo a Notícia
  • Porta-voz do governo da Rússia disse que o país não vê condições para fim pacífico da guerra.

  • China enviou proposta com 12 pontos que podem conduzir paz entre Rússia e Ucrânia.

  • Guerra entre as duas nações completou um ano na última sexta-feira (24).

Guerra entre Ucrânia e Rússia completou um ano na última sexta-feira (24)

Guerra entre Ucrânia e Rússia completou um ano na última sexta-feira (24)

Dimitar Dilkoff/AFP - 27.2.2023

A Rússia afirmou, nesta segunda-feira (27), que o plano proposto na semana passada pela China para solucionar o conflito na Ucrânia "merece atenção", mas que as condições necessárias para uma solução "pacífica" não estão reunidas no momento.

"Consideramos o plano de nossos amigos chineses com grande atenção", declarou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov. "É um processo longo. No momento, não vemos as premissas para que o assunto possa seguir uma via pacífica."

"A operação militar especial [na Ucrânia] continua", acrescentou.

Na última sexta-feira (24), quando a ofensiva russa completou um ano, o governo chinês publicou um documento de 12 pontos que pede a Moscou e Kiev o início de negociações de paz. Enquanto a China busca espaço de mediação no conflito, a posição do país de aliada de Moscou a desqualifica aos olhos das potências ocidentais, que apoiam Kiev.

Rússia e Ucrânia não demonstraram até o momento nenhuma vontade séria de iniciar negociações e reagiram com prudência à proposta chinesa.

Ao mesmo tempo, o Kremlin chamou nesta segunda-feira de "absurdo" o novo pacote de sanções imposto pela União Europeia à Rússia na sexta-feira, que afeta 121 indivíduos e instituições.

"Tudo isto é absurdo. Vemos que impõem sanções a qualquer um [...] apenas para elaborar novas listas", afirmou Peskov, antes de acrescentar que as medidas não devem afetar as pessoas citadas.

Para o Ministério das Relações Exteriores da Rússia, as sanções são "tentativas fúteis e imprudentes" de "minar nosso sistema industrial e nosso potencial financeiro".

"Preparamos medidas de retaliação [...] que continuarão sendo elaboradas sob o princípio da estrita reciprocidade e da inevitabilidade de punição", informou Maria Zakharova, porta-voz da diplomacia russa.

Despedidas e fugas se repetem após um ano de guerra na Ucrânia

Últimas