Rússia x Ucrânia

Internacional Rússia se apropria formalmente de usina ucraniana de Zaporizhzhia

Rússia se apropria formalmente de usina ucraniana de Zaporizhzhia

Instalação nuclear é alvo de disputa entre Moscou e Kiev desde o início da guerra, em fevereiro deste ano

AFP

Resumindo a Notícia

  • Rússia formalizou a incorporação da usina nuclear de Zaporizhzhia
  • Instalação está localizada em uma das áreas que a Rússia formalmente anexou nesta semana
  • Ucranianos criticaram a ação russa, reivindicando a propriedade
  • Forças armadas da Rússia controlam a instalação nuclear desde março
Instalação nuclear de Zaporizhzhia é a maior da Europa

Instalação nuclear de Zaporizhzhia é a maior da Europa

Stringer/AFP - 11.9.2022

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, assinou nesta quarta-feira (5) um decreto no qual formaliza a incorporação da usina nuclear de Zaporizhzhia, no sul da Ucrânia, a qual as forças de Moscou ocupam há meses.

"O governo deve garantir que as instalações nucleares da usina [...] sejam aceitas como propriedade federal", diz o decreto, publicado dias antes de uma possível visita à Rússia do diretor-geral da AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica), Rafael Grossi.

A instalação nuclear, a maior da Europa, está localizada na região de Zaporizhzhia, um dos territórios ucranianos que a Rússia anexou formalmente na semana passada. A usina fica próxima à linha que separa os territórios controlados por Kiev e os ocupados por Moscou.

"O governo deve garantir que as instalações nucleares da usina [...] sejam aceitas como propriedade federal", afirma o decreto russo.

Depois que a gestão administrativa da usina foi transferida para os russos na quarta-feira, a operadora nuclear ucraniana Energoatom ficou indignada com "a criação de pseudo-empresas com nomes de empresas ucranianas".

A decisão russa mostra "a agonia do mundo imaginário louco do país agressor", criticou a Energoatom.

Rússia e Ucrânia acusam-se mutuamente de bombardear o complexo há vários meses. Os ataques levantam temores sobre a possibilidade de uma catástrofe nuclear semelhante à que ocorreu em Chernobyl em 1986.

Últimas