Internacional Saiba como ucranianos estão se abrigando dos ataques russos em antigas siderúrgicas

Saiba como ucranianos estão se abrigando dos ataques russos em antigas siderúrgicas

Rede subterrânea sob as usinas de Azovstal e Zaporizhstal foi construída há 90 anos para proteger milhares de trabalhadores

AFP
Usina de Azovstal é considerada um dos últimos pontos da resistência ucraniana em Mariupol

Usina de Azovstal é considerada um dos últimos pontos da resistência ucraniana em Mariupol

STRINGER / AFP

Reservas de água e comida, geradores, banheiros, muitos colchões ou fogões a lenha em abrigos subterrâneos, os chamados bunkers. Nas siderúrgicas ucranianas projetadas pelos soviéticos, tudo foi pensado com uma eventual guerra em mente.

Muito semelhante em estilo à usina de Azovstal, onde as últimas forças ucranianas estão entrincheiradas na cidade portuária de Mariupol, a fábrica de Zaporizhstal mostra como essas indústrias da era stalinista foram projetadas para desafiar uma invasão.

"Podemos ficar nos abrigos por muito tempo", diz o funcionário da fábrica Igor Buglayev, de 20 anos, vestindo macacão prateado e capuz de segurança. "Acho que isso nos dará uma chance de sobreviver", acrescenta, enquanto o metal derretido flui atrás dele.

O local de trabalho de Buglayev, na cidade de Zaporizhzhia, não chegou a ser tomado pelos russos, mas foi forçado a interromper suas operações à medida que a linha de frente se aproximava perigosamente.

A vasta rede subterrânea sob as usinas de Azovstal e Zaporizhstal foi construída no início da década de 1930, quando o mundo se recuperava de uma guerra e se preparava para outra, e  projetada para abrigar milhares de trabalhadores. 

As duas siderúrgicas são de propriedade do conglomerado Metinvest, controlado pelo homem mais rico da Ucrânia, Rinat Akhmetov.

No complexo de Zaporizhstal existem 16 abrigos subterrâneos. O que a AFP visitou fica a 10 metros de profundidade e é protegido por uma porta antiexplosivos de 10 centímetros de espessura.

O local, iluminado com luz branca, possui fileiras de bancos de madeira e pode acomodar até 600 pessoas. Tem tanques de água para a descarga de vasos sanitários, comida de emergência, água engarrafada e pilhas de lenha  para abastecer um grande fogão de metal.

Golpe econômico

Os bunkers localizados abaixo de Azovstal abrigaram centenas de civis, que foram retirados durante operações internacionais de resgate da ONU e da Cruz Vermelha.

No momento ainda há soldados ucranianos resistindo à ofensiva russa em Mariupol. 

"Que Deus nos livre de nos encontrarmos em uma situação como a de nossos colegas em Azovstal, metalúrgicos como nós, que acabaram ficando tanto tempo... Não desejo isso a ninguém", diz Alexander Lotenkov, chefe do departamento de comunicação, dentro do bunker.

Na superfície, o complexo tem uma extensão de 5,5 quilômetros quadrados. Apesar de ter metade da área de Azovstal, as distâncias entre um local e outro só podem ser percorridas em veículo. 

Além disso, o recinto possui inúmeros lugares para se esconder entre suas fileiras de prédios e seus longos túneis e muitas estruturas altas que funcionam como pontos de observação. 

A guerra, no entanto, não foi boa para os negócios. 

A operação foi retomada com capacidade reduzida no início de abril, no mesmo período em que as forças russas se retiraram dos arredores de Kiev, capital ucraniana, diante da forte resistência encontrada.

Algumas boas notícias vieram nesta semana com a suspensão das tarifas sobre o aço ucraniano nos EUA, mas a situação continua complexa. Os produtos da Ucrânia representam apenas 1% das importações de aço dos Estados Unidos, segundo as autoridades do país, e o transporte da mercadoria é um grande desafio, principalmente em tempos de guerra.

"Não poderemos competir com outros produtores porque seus custos logísticos são menores, e para podermos exportar para os Estados Unidos temos que levar nossa produção de Zaporizhzhia para a Polônia", disse o diretor-geral da fábrica, Alexander Mironenko.

As exportações de aço despencaram em relação aos níveis anteriores à guerra. Revitalizá-las e retornar ao mercado seria crucial para a economia da Ucrânia.

"Era uma das indústrias voltadas principalmente para a exportação, e cerca de 50% das receitas em divisas foram geradas pelos setores de mineração e metalurgia da Ucrânia", afirmou Mironenko.

Últimas