Crise no Peru

Internacional Sobe para 54 o número de mortos durante protestos contra o governo do Peru

Sobe para 54 o número de mortos durante protestos contra o governo do Peru

Pessoas tentaram invadir o aeroporto de Arequipa, Cuzco e Juliaca; grande manifestação foi realizada no centro de Lima

Agência EFE

Resumindo a Notícia

  • Desde dezembro, protestos no Peru deixaram 54 mortos
  • Última morte foi registrada na cidade de Arequipa
  • População enfrenta a polícia em várias partes do país
  • Manifestantes tentaram invadir três aeroportos
População da região de Arequipa enfrenta a polícia em mais um dia de protestos no Peru

População da região de Arequipa enfrenta a polícia em mais um dia de protestos no Peru

Jose Sotomayor Jimenez/EFE - 19/01/2023

A morte de mais uma pessoa na quinta-feira (19) elevou para 54 o total de mortos nos protestos que acontecem no Peru desde dezembro do ano passado — nesse último caso, em confrontos entre manifestantes e forças de segurança em Arequipa, a segunda cidade mais populosa do país.

"Lamentamos a morte de uma pessoa durante os confrontos na ponte Añashuayco, localizada no norte da cidade (de Arequipa)", afirmou a ouvidoria pública no Twitter, antes de pedir ao Ministério Público uma rápida investigação dos fatos, “a fim de apurar responsabilidades".

O Peru enfrentou na quinta-feira um intenso dia de protestos em várias regiões, com tentativas de tomar os aeroportos de Arequipa, Cuzco e Juliaca, além de uma mobilização massiva no centro histórico de Lima, onde ocorreram confrontos com forças de segurança.

Em Arequipa, a polícia e os militares repeliram uma tentativa de tomada do aeroporto por manifestantes, embora os confrontos tenham durado várias horas e, segundo constatou a EFE, um avião e veículos blindados das Forças Armadas participaram do trabalho de controle do aeroporto.

Pela manhã, o Ministério dos Transportes e Comunicações informou o fechamento do aeroporto de Arequipa "para salvaguardar a integridade dos cidadãos e a segurança das operações aeronáuticas", após os confrontos registrados no início do dia.

O aeroporto de Cuzco também suspendeu as operações devido aos protestos, e a imprensa local relatou outra tentativa de invasão ao aeroporto de Juliaca, na região de Puno.

As manifestações no Peru começaram em 7 de dezembro, quando Dina Boluarte assumiu a Presidência por sucessão constitucional após o autogolpe fracassado de Pedro Castillo (2021-2022) e, depois de uma trégua de Natal, ganharam força a partir de 4 de janeiro, principalmente no sul do país.

Até agora, os protestos deixaram 44 manifestantes mortos, além de um policial, enquanto 9 pessoas, incluindo uma mulher grávida, perderam a vida em episódios vinculados aos bloqueios de estradas e às paralisações.

Além da família real britânica: conheça outras monarquias marcadas por polêmicas

Últimas