Suécia elege primeira mulher chefe de governo

Magdalena Andersson irá substituir Stefan Löfven, que renunciou este mês depois de passar sete anos no cargo

AFP
Magdalena Andersson posa em coletiva de imprensa após ser nomeada primeira-ministra da Suécia

Magdalena Andersson posa em coletiva de imprensa após ser nomeada primeira-ministra da Suécia

Erik Simander/AFP - 24.11.2021

A social-democrata Magdalena Andersson foi eleita nesta quarta-feira (24) primeira-ministra da Suécia pelo Parlamento e será a primeira mulher a ocupar o posto de chefe de Governo do país nórdico, após vários dias de negociações.

Andersson era até agora ministra das Finanças do governo do primeiro-ministro demissionário Stefan Löfven, que renunciou este mês depois de passar sete anos no cargo.

A nova primeira-ministra recebeu 117 votos a favor, 57 optaram pela abstenção e 174 deputados votaram contra seu nome.

Na Suécia, um candidato ao cargo de chefe de Governo não precisa do apoio da maioria no Parlamento para aprovação, apenas que a maioria (175) não vote contra seu nome.

A economista e ex-nadadora de 54 anos conseguiu na terça-feira (23) à noite, no fim do prazo, um acordo com o Partido de Esquerda, o último apoio que faltava para dirigir o governo.

Magdalena Andersson foi eleita a menos de um ano para as eleições legislativas (setembro de 2022), que devem ser muito acirradas. O desafio da nova primeira-ministra será conseguir manter os social-democratas no poder, no momento em que o partido registra seu menor índice histórico de aprovação.

Nesta quarta-feira, o Partido de Centro anunciou que não vai apoiar o orçamento do governo devido ao acordo anunciado com o Partido de Esquerda.

Magdalena Andersson já sofreu, dessa maneira, a primeira derrota e corre o risco de governar sem o orçamento que ela preparou, e sim com orçamento da oposição de direita, que tem o apoio da extrema-direita.

Últimas