Internacional Talibã ordena decapitação de manequins em lojas de Herat

Talibã ordena decapitação de manequins em lojas de Herat

Grupo extremista alega que os objetos se opõem à sua interpretação da lei islâmica

AFP
Manequim para roupa

Manequim para roupa

Pexels

Os talibãs ordenaram aos vendedores de roupas em Herat, no oeste do Afeganistão, que cortassem a cabeça dos manequins em suas lojas, alegando que se opõem à sua interpretação da lei islâmica.

Essa nova diretriz se soma a uma série de medidas já anunciadas pelo Talibã para impor no país sua visão rígida do Islã, uma visão que limita as liberdades públicas, em especial de mulheres e meninas. 

"Pedimos aos comerciantes que cortem a cabeça dos manequins, porque é contra a lei [islâmica] da 'sharia'", disse à AFP, nesta quarta-feira (5), Aziz Rahman, chefe do serviço de Promoção da Virtude e Prevenção do Vício em Herat, cidade com cerca de 600 mil habitantes.

"Se se limitarem a cobrir sua cabeça ou esconderem o manequim [totalmente], o anjo de Alá não entrará na loja, ou em sua casa, para abençoá-los", alegou. Segundo ele, os comerciantes prometeram obedecer à ordem. 

Desde esta terça-feira (4), circula nas redes sociais um vídeo no qual homens cortam a cabeça de manequins femininos de plástico com serras.

Por enquanto o Talibã não emitiu nenhuma ordem nacional sobre essas figuras de plástico, que não têm lugar em sua interpretação estrita da lei islâmica, uma vez que esta proíbe representações humanas. 

Durante seu primeiro regime à frente do país, nos anos 1990, o Talibã destruiu várias estátuas históricas de budas. A ação chocou o mundo.

Desde que voltou ao poder, o grupo promete ser mais moderado para tentar mudar sua imagem internacional e receber ajuda humanitária. Por enquanto, porém, impôs novas restrições, principalmente a mulheres e meninas.

Últimas