Rússia x Ucrânia

Internacional Ucrânia não negociará com Rússia após referendos, diz Zelenski

Ucrânia não negociará com Rússia após referendos, diz Zelenski

Presidente ucraniano destacou na ONU estratégia parecida de Vladimir Putin com a anexação da Crimeia em 2014

AFP

Resumindo a Notícia

  • Presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, disse que não negociará com russos após referendo
  • Para Zelenski, a Rússia traçou plano idêntico ao que levou à anexação da Crimeia
  • Autoridades pró-Rússia em Donetsk, Kherson, Lugansk e Zaporizhzhia anunciaram vitória
Volodmir Zelenski discursou diante da comissão de segurança da ONU

Volodmir Zelenski discursou diante da comissão de segurança da ONU

Michael M. Santiago/Getty Images North America/Getty Images via AFP - 27.9.2022

O presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, afirmou que o país não pode negociar com a Rússia após a organização de "referendos" de anexação em quatro regiões ucranianas, três das quais já anunciaram na noite desta terça-feira (27) que o "sim" venceu.

"O reconhecimento pela Rússia dos 'pseudo-referendos' como 'normais', a aplicação" do mesmo plano que na Crimeia, é uma nova tentativa de anexar uma parte do território ucraniano, o que significa que nós não negociamos com o atual presidente russo", disse Zelenski em vídeo gravado e exibido durante uma reunião do Conselho de Segurança da ONU.

O presidente ucraniano falou antes dos anúncios dos primeiros resultados dos "referendos" de anexação nas regiões ucranianas de Kherson, Zaporizhzhia e Lugansk, onde o "sim" para a anexação à Rússia venceu com folga, segundo os resultados anunciados pelas autoridades pró-russas locais.

As autoridades separatistas pró-russas da região de Donetsk, no Donbass ucraniano, anunciaram na noite desta terça a vitória do "sim".

O presidente ucraniano denunciou perante a ONU "uma farsa" com resultados "arranjados desde antes". "A anexação dos territórios é a violação mais brutal da Carta das Nações Unidas", acrescentou no vídeo.

Segundo Zelenski, a Rússia deveria "ser excluída de todas as organizações internacionais" por estas ações, ou ao menos ser suspensa.

Últimas