Rússia x Ucrânia

Internacional Ucrânia reivindica avanços em cidade estratégica na bacia de mineração do Donbass

Ucrânia reivindica avanços em cidade estratégica na bacia de mineração do Donbass

Cem dias após o início da invasão russa, Ucrânia resiste e força Moscou a concentrar a ofensiva em outras regiões além de Kiev

AFP
Cem dias após o início da guerra, milhões fugiram de suas casas, na Ucrânia

Cem dias após o início da guerra, milhões fugiram de suas casas, na Ucrânia

AFP/Fadel Senna

As autoridades ucranianas garantiram que suas tropas estão recuperando terreno na cidade estratégica de Severodonetsk, no leste do país, sitiada nos últimos dias pelas forças russas, que a controlam parcialmente. Mais de cem dias após o presidente russo Vladimir Putin enviar suas tropas para a Ucrânia, milhares de pessoas morreram, milhões fugiram de suas casas e muitas cidades foram reduzidas a cinzas. 

O avanço do Exército russo foi retardado pela feroz resistência ucraniana, que frustrou uma ofensiva-relâmpago em direção a Kiev para derrubar o governo pró-ocidental e forçou Moscou a se concentrar na bacia de mineração do Donbass.

A chave é a batalha por Severodonetsk, a maior cidade controlada pela Ucrânia na região separatista pró-Rússia de Lugansk, onde as tropas ucranianas estão resistindo depois de quase perderem toda a cidade. 

"Eles não a tomaram completamente", garantiu o governador regional de Lugansk, Sergii Gaidai, na sexta-feira (3), observando que seus soldados recuperaram 20% do terreno depois de perder até 70% da cidade para os russos.

"Assim que tivermos mais armas ocidentais de longo alcance, vamos recuar a artilharia deles (...) e a infantaria vai correr", comentou.

Cerco e resistência

A situação também é difícil em Lysychansk, cidade localizada em frente a Severodonetsk. Cerca de 60% das casas foram destruídas e as conexões de internet, telefone celular e gás foram cortadas, segundo o prefeito, Oleksandr Zaika.

O serviço de imprensa da Presidência ucraniana afirmou que os russos mataram quatro civis na região de Luhansk.

A Ucrânia também informou que um ataque com mísseis deixou duas vítimas no porto de Odessa (sudoeste), sem especificar se ficaram feridas ou mortas.

Além disso, reportou a morte de quatro combatentes voluntários estrangeiros que lutavam contra as forças russas.

A Legião Internacional de Defesa da Ucrânia, uma brigada de voluntários, informou que os quatro homens, da Alemanha, Holanda, Austrália e França, morreram, mas não indicou onde ou em que circunstâncias. 

Apesar da resistência inesperada, as tropas russas controlam atualmente um quinto da Ucrânia, com um longo corredor ao longo da costa do mar Negro e do mar de Azov ligando a península da Crimeia (sul) aos territórios do Donbass.

'A vitória será nossa'

Mas, coincidindo com os primeiros cem dias de guerra, o presidente ucraniano Volodmir Zelenski se mostrou desafiador: "A vitória será nossa", disse na sexta-feira. 

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, assegurou que o saldo desses mais de três meses era satisfatório, pois atingiram "certos" objetivos.

Segundo Peskov, as tropas russas teriam "libertado inúmeras cidades" e permitido que seus habitantes voltassem a "uma vida em paz". 

À medida que a guerra avança, os países ocidentais vêm aumentando a quantidade de armas enviadas à Ucrânia, bem como as sanções contra a Rússia, na tentativa de isolá-la e sufocar sua economia. 

Em seu último pacote de medidas (o sexto desde o início do conflito), a União Europeia adotou na sexta-feira um embargo com exceções às compras de petróleo russo e incluiu na lista de sancionados a ex-ginasta Alina Kabaeva, suposta namorada de Putin. 

Temores

A guerra provoca temores de uma escassez global de alimentos, sendo Rússia e Ucrânia dois dos maiores exportadores de trigo do mundo.

As Nações Unidas informaram sobre negociações discretas para desbloquear as toneladas de cereais paralisadas nos portos do mar Negro, segundo o seu coordenador na Ucrânia. 

A ONU alertou para "um furacão de fome" essencialmente em países africanos, que importaram mais da metade de seu trigo desses países e onde os preços dos alimentos estão subindo vertiginosamente. 

O presidente da União Africana, o senegalês Macky Sall, reuniu-se com Putin em Sochi, no sul da Rússia. 

Segundo Sall, o líder russo se mostrou "comprometido e ciente de que a crise e as sanções criam sérios problemas para economias frágeis". 

Em entrevista televisionada, Putin garantiu que "não é um problema" exportar cereais da Ucrânia.

Últimas