Vaticano afirma que estado de saúde de Bento XVI não preocupa

Jornal alemão disse que papa emérito estava com um quadro grave de herpes no rosto, que segundo o Vaticano é 'doloroso, mas não grave'

Vaticano disse que doença de papa emérito é dolorosa, mas não grave

Vaticano disse que doença de papa emérito é dolorosa, mas não grave

Sven Hoppe/Pool via REUTERS - 22.6.2020

As condições de saúde do papa emérito Bento XVI não são "particularmente preocupantes", garantiu nesta segunda-feira (3) o Vaticano, após saber que ele sofre de herpes no rosto, o que enfatizou, ser "doloroso, mas não grave".

O porta-voz do Vaticano, Matteo Bruni, transmitiu a explicação do secretário pessoal de Joseph Ratzinger, monsenhor Geor Ganswein, onde ele comunicou que "as condições de saúde do papa emérito não representam uma preocupação em particular".

"Eles são os de um homem de 93 anos que está superando a fase mais aguda de uma doença dolorosa, mas não grave", disse ele.

Leia mais: Papa emérito Bento XVI está gravemente doente, revela biógrafo

Informações do biógrafo

Hoje, o jornal alemão Passauer Neue Presse informou que Bento XVI estava gravemente doente com uma infecção no rosto por herpes zóster, citando seu biógrafo, Peter Seewald.

Ele explicou que o papa emérito vem sofrendo com essa doença desde que regressou a Roma, no final de junho, após ter viajado para Regensburg com o objetivo de se despedir de seu irmão, arcebispo Georg Ratzinger, de quem ele era muito próximo e morreu no dia 1º de junho.

Segundo Seewald, que deu a Joseph Ratzinger sua biografia no último sábado, o papa emérito está em um estado extremamente delicado, apesar de mostrar otimismo em sua reunião, mesmo com sua doença, acrescentou o jornal.

Seewald afirmou que Bento XVI raciocina e mantém sua memória, embora sua voz seja praticamente imperceptível, e que o papa Emérito declarou que, se ele recuperar suas forças, ele poderá escrever algumas linhas novamente.

Ele especificou que o testamento espiritual de Bento XVI já está escrito e será tornado público após sua morte e que ele até escolheu o túmulo antigo de seu antecessor, João Paulo II, para descansar na cripta da Basílica de São Pedro.

Seewald e Bento XVI publicaram em conjunto quatro livros de entrevistas com uma circulação internacional de cerca de três milhões de cópias.

Bento XVI renunciou ao papado em fevereiro de 2013, uma decisão histórica, e desde então reside no mosteiro Mater Ecclesiae, no Vaticano.