Internacional Zelenski anuncia prisão de magnata ucraniano próximo de Putin

Zelenski anuncia prisão de magnata ucraniano próximo de Putin

Viktor Medvedchuk estava foragido desde o início da invasão russa da Ucrânia, em 24 de fevereiro

AFP
Viktor Medvedchuk teve foto divulgada pelo governo

Viktor Medvedchuk teve foto divulgada pelo governo

Reuters

O presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, anunciou nesta terça-feira (12) a prisão do político ucraniano pró-Rússia Viktor Medvedchuk, amigo do presidente russo, Vladimir Putin.

"Uma operação especial foi realizada graças ao Serviço de Segurança Ucraniano. Bravo!", escreveu Zelenski no Telegram.

A mensagem aparece acompanhada por uma foto de Medvedchuk, sentado, algemado e vestido com roupas militares com um distintivo da bandeira ucraniana.

Medvedchuk estava em prisão domiciliar por ordem de um juiz, mas fugiu em 24 de fevereiro, justamente no mesmo dia em que a Rússia iniciou sua "operação militar especial" na Ucrânia. O magnata possui a 12ª maior fortuna na Ucrânia, estimada em US$ 620 milhões pela revista Forbes, e é conhecido por sua relação com Putin, que seria padrinho de uma de suas filhas.

O político e empresário, de 67 anos, é acusado de alta traição por revelar segredos de Estado, ter negócios na península anexada da Crimeia, trabalhar para a Rússia e ter "vínculos sólidos" com Putin. 

De fato, Medvedchuk visitou Moscou várias vezes para se encontrar com Putin, o que foi amplamente noticiado na televisão pública russa. A última vez foi em julho de 2019, quando Zelenski já era presidente.

Além disso, o magnata sempre defendeu a concessão de um status de autonomia para a região do Donbass e chegou até a apresentar um plano de paz que foi apoiado por Moscou.

Esse plano, que incluía a concessão de altos níveis de autogoverno às áreas controladas pelos separatistas pró-Rússia e sua própria força policial, também foi apresentado ao Parlamento Europeu.

"Se você me perguntar quem pode liderar o Estado ucraniano, eu mencionaria Zelenski por último", disse Medvedchuk à Agência Efe, antes das eleições presidenciais ucranianas de 2019, vencidas pelo atual presidente.

Na ocasião, Putin qualificou a prisão de Medvedchuk, líder do partido Plataforma Opositora pela Vida, de "expurgo do espaço político" na Ucrânia e advertiu que a Rússia reagiria "de maneira oportuna e adequada".

"As decisões são claramente políticas e arbitrárias e visam limpar o espaço político das forças que defendem uma solução pacífica para a crise no sudeste da Ucrânia, no Donbass, e relações de boa vizinhança com a Rússia", declarou Putin então.

Últimas