Internacional Zimbábue libera caça de elefantes, apesar da espécie estar ameaçada

Zimbábue libera caça de elefantes, apesar da espécie estar ameaçada

Governo emitirá licença para 500 animais por ano e alega que a população deles no país é maior que a capacidade dos parques

  • Internacional | Do R7

Existem cerca de 84 mil elefantes no Zimbábue, mas os parques teriam capacidade para 50 mil

Existem cerca de 84 mil elefantes no Zimbábue, mas os parques teriam capacidade para 50 mil

Dai Kurokawa / EFE - Arquivo

O Zimbábue está vendendo licenças para caçar até 500 elefantes este ano, informou nesta segunda-feira (26) a Agência de Vida Selvagem, algumas semanas depois de esses animais serem declarados como em risco de extinção.

Leia também: Tigre siberiano ataca agricultor e um carro no nordeste da China

O porta-voz da Autoridade de Gestão de Parques e Vida Selvagem, Tinashe Farawo, disse à AFP que a caça de elefantes está permitida durante a temporada de chuvas, entre abril e outubro.

"Autorizamos a caça de no máximo 500 elefantes, é com isso que geramos dinheiro", explicou Farawo, destacando que a caça de um só elefante pode render até 10.000 dólares.

Os caçadores "precisam cada vez mais de equipe de assistência, como rastreadores, caçadores, guardas de segurança e cozinheiros", acrescentou.

No entanto, os grupos de conservação têm se manifestado, expressando sua preocupação com a caça de espécies mais ameaçadas de extinção.

No mês passado, a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), com sede na Suíça, incluiu em sua lista o elefante da savana africana "em risco", e o elefante da floresca africana já "em risco crítico".

Apesar da queda da população, o Zimbábue enfrenta um excesso de elefantes, estimados em cerca de 84.000 para uma capacidade de 50.000 em condições adequadas.

As secas frequentes somaram-se às tensões nos parques nacionais saturados, o que obriga alguns elefantes a buscarem comida e água mais longe.

Alguns invadem assentamentos humanos, destroem cultivos e ocasionalmente matam pessoas que cruzam seu caminho.

Farawo defendeu a decisão de seguir com a entrega de permissões de caça, afirmando que a prática está vigente desde 1991 e que "não é necessário fazer barulho com isso".

Últimas