Minas Gerais Brinquedo que simula assalto a banco é retirado de circulação

Brinquedo que simula assalto a banco é retirado de circulação

Medida foi tomada após acordo do Procon-MG com o fabricante; bonecos do jogo carregam arma de fogo

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Brinquedo trás personagens apenas de ladrão e reféns

Brinquedo trás personagens apenas de ladrão e reféns

Divulgação/ Sunny Brinquedos

Um brinquedo que simula assalto a banco foi retirado do mercado, em todo o Brasil, após uma ação do Procon (Programa de Proteção e Defesa do Consumidor) de Minas Gerais.

O Playmobil City Action Bank é composto por miniatura de agência bancária e bonecos que carregam arma de fogo. Entre os personagens não há a presença de um boneco policial – apenas ladrão e vítima. Isso, para o promotor de Justiça Fernando Abreu, do MPMG (Ministério Público de Minas Gerais), torna o produto impróprio e inadequado para as crianças.

Após ser notificada, a fabricante Sunny Brinquedos firmou um Tac (Termo de Ajustamento de Conduta) com o MPMG e se propôs a retirar o brinquedo de circulação. Embora o acordo tenha sido firmado em agosto do ano passado, ele só foi divulgado nessa terça-feira (20).

Leia mais notícias no Portal R7

O Tac foi baseado na lei do consumidor que determina que é “vedado ao fornecedor de produtos e serviços prevalecer-se da fraqueza ou ignorância do consumidor, tendo em vista sua idade, saúde, conhecimento ou condição social para impingir-lhes seus produtos ou serviços”.

A empresa cumpriu com o trato de informar às lojas parceiras e interromper a circulação dentro do período estabelecido, que foi de 30 dias. Ainda assim, caso o produto seja encontrado no comércio, a fabricante deverá pagar uma multa no valor de R$ 45 mil.

Procurada pelo R7, a Sunny Brinquedos informou que seguiu o acordo firmado com o MP, mas acredita que justificar a agressividade crescente das crianças levando em consideração brincadeiras de guerra, videogames ou filmes de super-heróis, é uma maneira simplista de analisar um tema complexo.

Segue a nota na íntegra:

“Nós da Sunny Brinquedos sabemos que é por intermédio do brinquedo que é possível promover afetividade, estabelecer laços emocionais e compreender a dinâmica interna que transcorre a ligação entre as pessoas. Com um repertório verbal ainda em construção, é pela organização das cenas com bonecos, por exemplo, que a criança consegue demonstrar e expandir suas peculiaridades emocionais. Por isso,  vale ressaltar que  a coleção Playmobil Polícia  faz parte de um portfólio com mais de 20 itens da linha Playmobil. O brinquedo é um clássico desde o surgimento do Playmobil em 1974.

O Playmobil é um excelente exemplo de brinquedo que ajuda no processo evolutivo das características de percepção das crianças. No momento que elas brincam os papéis sociais são definidos e evidenciam o espaço e as relações interpessoais em que vivem. A polícia é um órgão real que tem uma função social estabelecida, e é importante para a criança compreender de forma lúdica, a partir do brincar, as relações da sociedade em que ela está inserida.  O jeito em que as crianças montam e organizam as cenas e situações com os bonecos e os acessórios expressam os valores transmitidos pela família e pela sociedade, construindo e absorvendo modelos de identificação ao longo do processo evolutivo.

Mas explicar e justificar a agressividade crescente das crianças apenas levando em consideração estímulos externos, sejam brincadeiras de guerra, videogames ou filmes de super-heróis, é uma maneira simplista de olhar um tema complexo, além de retrocesso à ciência do comportamento, que já comprovou que criança nenhuma fica violenta apenas por brincar de polícia e ladrão.

Brincadeiras que explicitam o bem e o mal sempre existiram, e sempre vão existir. A criança precisa destruir e recriar o mundo, e brincar com instrumentos simbólicos, faz parte da evolução normal e saudável de todo o indivíduo.

De qualquer maneira a Sunny Brinquedos informa que esse produto não é mais comercializado desde 2013, ficando tudo devidamente acertado com o Ministério Público de Minas Gerais desde 2017.”

Últimas