Cantor Eduardo Costa é indiciado pela polícia por estelionato

Segundo inquérito, sertanejo teria enganado compradores ao trocar uma casa com pendências judiciais por uma mansão na Pampulha, em BH

Segundo inquérito, cantor enganou compradores ao não avisar que casa tinha pendência

Segundo inquérito, cantor enganou compradores ao não avisar que casa tinha pendência

Divulgação

A Polícia Civil de Minas Gerais indiciou o cantor sertanejo Eduardo Costa pelo crime de estelionato por causa de uma transação imobiliária. Segundo a investigação, o artista negociou uma casa no balneário de Escarpas do Lago, em Capitólio, a 313 km de Belo Horizonte, em troca de outro imóvel na região da Pampulha, na capital mineira.

O cantor, no entanto, não avisou que a casa em Capitólio era alvo de uma ação do Ministério Público Federal (MPF). O órgão pedia a demolição parcial do imóvel porque o terreno está localizado em uma APP (Área de Preservação Ambiental) permanente. Na prática, a casa valia menos do que o acordado e os compradores levaram prejuízo.

Polícia intima Eduardo Costa a depor sobre supostas ameaças

O indiciamento foi feito em 11 de novembro de 2019, dois anos após a abertura do inquérito. Segundo o delegado responsável pelas investigações, o cantor induziu as vítimas a erro já que teria omitido "de forma deliberada" a informação de que o imóvel era objeto de ações. 

Ainda segundo a investigação, o cantor tinha intenção de enganar as vítimas até que o negócio fosse totalmente concretizado.

"Tal situação demonstra que houve lesão patrimonial para as vítimas em conseguência de terem sido enganadas, o que implica em fraude", escreveu o delegado.

Advogado Arnaldo Alves defende vítimas do cantor

Advogado Arnaldo Alves defende vítimas do cantor

Arquivo pessoal

A reportagem entrou em contato com o cantor e aguarda um posicionamento sobre o indiciamento. Em entrevista após prestar depoimento no inquérito em julho de 2018, o cantor afirmou que o comprador sabia da pendência e que ele não deu prejuízo a ninguém.

O advogado Arnaldo Soares Alves, representante das vítimas, foi procurado e disse que só vai se manifestar no processo.