Disputa por ponto de prostituição motivou morte de travesti na Grande BH

Três pessoas foram presas suspeitas do crime, que ocorreu em julho, e confirmaram os fatos

A vítima e os três travestis disputavam o ponto de prostituição na via Expressa

A vítima e os três travestis disputavam o ponto de prostituição na via Expressa

PC/Divulgação

A Polícia Civil de Minas Gerais solucionou a morte de Frederido Lucas dos Santos, travesti que era conhecida como Marina Klum, de 23 anos. De acordo com as investigações conduzidas pelo delegado Flávio Grossi, o crime foi cometido por outras três travestis, que disputavam o ponto de prostituição na via Expressa, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. Marina foi executada no dia 17 de julho.

Jailson Sousa Cardoso, conhecido como Samanta Fox, de 35 anos, Victor Alves Nery, de 20, e Igor Alexandre Mariano, ou Pamela Ferraz, da mesma idade, foram detidos suspeitos de envolvimento no fato. Conforme as apurações, Samantha e Victor dispararam inicialmente contra um grupo de travestis que estava reunido em frente a um motel na Via Expressa, mas as vítimas conseguiram escapar.

Leia mais notícias no R7 MG

Em seguida, um carro dirigido por Pamela se aproximou e continuou com o tiroteio, atingindo Marina, que morreu ainda no local, e outra travesti, que sobreviveu. Após confirmarem a versão da história, o trio foi detido e encaminhado para o presídio de Vespasiano, na Grande BH.