Minas Gerais Donos de abrigo são indiciados por envenenar cães na Grande BH

Donos de abrigo são indiciados por envenenar cães na Grande BH

Investigação começou após proprietários do espaço denunciarem que vizinhos teriam dado veneno aos animais; 69 cachorros morreram

  • Minas Gerais | Caio Augusto*, do R7, com Natália Jael, da Record TV Minas

Inquérito aponta envenenamento de cães

Inquérito aponta envenenamento de cães

Divulgação / Polícia Civil

A Polícia Civil concluiu, nesta terça-feira (14), que 49 dos 69 cães mortos de um lar temporário, localizado na Grande BH, foram envenenados pelos donos do espaço

De acordo com a corporação, o crime teria ocorrido após parte dos animais morrer após serem  transportados de forma irregular em um caminhão baú sem ventilação.

A viagem aconteceu durante a mudança do abrigo que saiu da cidade de Riberião das Neves e foi transferido para Contagem, ambas na região metropolitana. Segundo a investigação, o marido da dona do abrigo, que estava na traseira do caminhão, saiu do local devido ao calor.

A perícia apontou que 20 cães chegaram mortos à cidade de Contagem e os que sobreviveram estavam bastante debilitados. Com medo de ser responsabilizada pela situação, a dona do espaço, Claúdia de Araujo, teria dado chumbinho para os animais que passavam mal. Na época, a mulher denunciou que os cães teriam sido envenenados por vizinhos.

Claudia e o marido foram indiciados pelos crimes de maus-tratos e fraudes processuais. Eles vão responder em liberdade. A defesa do casal acompanhou a coletiva da Polícia Civil sobre o caso. O advogado Nathan Henrique Nunes negou as acusações da delegada e afirmou que seus clientes são inocentes.

— Não foi encontrado chumbinho na casa da Cláudia, nos dois lares temporários e nem no caminhão usado para transporte dos animais.

Abrigo

O abrigo funcionava em Ribeirão das Neves há dois anos. O local recebia animais de rua resgatados por protetores e os donos do espaço recebiam um valor mensal para a hospedarem os cães.

Segundo os investigadores, a situação do espaço era precária. As casinhas dos cachorros não tinham cobertura e os policiais constataram que o ambiente estava muito sujo e sem condições de abrigar os animais.

*Estagiário do R7 sob supervisão de Pablo Nascimento

Últimas