Minas Gerais Engenheira denuncia racismo ao ter foto com tranças negada para RG

Engenheira denuncia racismo ao ter foto com tranças negada para RG

Órgão responsável pela emissão do documento diz que imagem causou dúvida em função de possível má qualidade da luz

  • Minas Gerais | Vinícius Araújo, da Record TV Minas

Uma engenheira civil de 39 anos denuncia ter sido vítima de racismo em uma UAI (Unidade de Atendimento Integrado) de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. A foto 3X4 dela teria sido recusada devido às tranças no cabelo.

Foto 3X4 de Fabiane Dias não teria sido aceita

Foto 3X4 de Fabiane Dias não teria sido aceita

Reprodução / Record TV Minas

Fabiane Dias foi ao local para emitir a segunda via da carteira de identidade. Segundo ela, a atendente teria olhado para as fotos e ido até um outro setor. Ao retornar, a mulher teria falado para a engenheira que a foto não foi aceita.

A vítima conta que estava saindo da unidade quando retornou para perguntar o que estava de errado com a imagem. Em conversa com o policial civil que estava de plantão no local, ele teria afirmado que a foto não tinha problemas. O supervisor que reprovou a imagem foi chamado e, de acordo com Fabiane Dias, ele teria afirmado que o motivo da reprovação seria as tranças.

— Eu falei que uso as tranças desde criança e nunca tive problema com isso. Parece que a “ficha deles caiu” e quiseram que eu fizesse [a identidade], pedindo desculpa.

Veja: Técnica de enfermagem é investigada por racismo em Minas

Outros servidores do posto de atendimento teriam se sensibilizado com o caso e se desculpado com ela.

Denúncia

A engenheira civil conta que procurou a gerência do UAI, a polícia e a secretaria de Direitos Humanos e Cidadania da Prefeitura de Contagem.

— Doeu muito mas eu denunciei. Eu não vou mudar o mundo com isso, mas eu estou fazendo a minha parte para que outras pessoas também possam ter o direito de exercer sua cidadania.

Fabiane conta que postou o caso nas redes sociais e muitos internautas também relataram ter passado por situações parecidas no mesmo lugar.

A presidente do Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial, Patrícia Pereira, alertou para a importância de denunciar casos de racismo. 

— A denúncia vai fazer com que nós tenhamos uma sociedade que respeite melhor as pessoas e que consigamos educar as pessoas para conviver pacificamente sem o racismo.

Outro lado

Em nota, a Seplag (Secretaria de Estado Planejamento e Gestão) afirmou que a foto de Fabiane causou dúvidas na triagem por apresentar superexposição na parte superior, ou seja, claridade em excesso, e sombra na parte inferior.

A pasta ainda lamentou o ocorrido e informou que as Unidades de Atendimento Imediato repudiam qualquer atitude preconceituosa.

Últimas