Família diz que suspeito de matar menina de 5 anos tem esquizofrenia

Criança foi morta a facadas a caminho da escola, nesta quarta-feira (30); autor do ataque alegou à polícia que atendeu a um chamado de "entidades"

Criança ia para escola com a babá e o irmão

Criança ia para escola com a babá e o irmão

Reprodução / Record TV Minas

A família do suspeito de assassinar uma criança de cinco anos a facadas em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, na manhã desta quarta-feira (30), declarou à PM (Polícia Militar) que o homem é sofre com esquizofrenia.

De acordo com o major Paulo Roberto, da PM, parentes de M. E. P. N. S, de 25 anos, contaram que, nesta terça-feira (29), o jovem havia ido ao psiquiatra para trocar a dose do medicamento que toma, que não estava fazendo efeito. O profissional teria aumentado a dose dos remédios, mas o homem não teria feito o uso do medicamento. 

Os relatos apontam que o homem já teria tido uma crise nesta terça-feira, quando, segundo a família, ele subiu no muro da casa dizendo que teria que matar uma criança, "a mando do patrão".

Ataque

Na manhã desta quarta-feira, M. E. P. N. S saiu de casa alegando que iria comprar pão, mas carregava uma faca escondia na roupa. O jovem usou o objeto para atacar a menina de cinco anos, que ia para a escola com o irmão de oito anos e a babá.

A cuidadora Brenda de Andrade relatou que caminhava com as crianças na rua, quando a menina caiu no chão.

— Quando eu olhei para trás, o homem estava com uma faca branca, parecendo de açougue. Então eu peguei ela, comecei a rolar no chão e a gritar socorro.

De acordo com testemunhas, o suspeito teria tentando fugir do crime, mas foi contido por populares até a chegada da PM (Polícia Militar). Em depoimento o homem teria dito aos militares que atacou a menina após ter recebido um chamado de “entidades” sobrenaturais que mandavam ele matar uma criança.

Após o falecimento da criança, o prefeito de Betim, Vittorio Medioli, decretou luto de três dias na cidade. Segundo a prefeitura, as aulas foram suspensas na escola em que a vítima estudava até a próxima segunda-feira (04).

* Estagiária do R7, sob supervisão de Pablo Nascimento