Guarda acaba com churrasco na sede de torcida do Cruzeiro

Moradores da região denunciaram a confraternização entre os torcedores; alguns deles montavam cestas básicas que vão ser doadas a pessoas carentes

Local foi fechado pela Guarda Municipal

Local foi fechado pela Guarda Municipal

Reprodução/ Record Tv Minas

A Guarda Municipal interrompeu, na noite desta terça-feira (5), um churrasco que era feito na sede da Máfia Azul, torcida organizada do Cruzeiro Esporte Clube, no bairro Barro Preto, na região Centro-sul de Belo Horizonte.

Os agentes chegaram ao local após denúncias de moradores da região. De acordo com Francisco dos Santos, subinspetor da Guarda, alguns torcedores estavam no imóvel montando cestas básicas para doação, enquanto outros faziam a confraternização.

— Encontramos cerca de 10 a 15 pessoas em que estava, realmente, tendo um churrasco entre eles. 

Ainda segundo Santos, os membros da torcida que preparavam as doações não adotavam medidas de proteção.

— Eles não estavam utilizando máscaras e não tinha álcool em gel. Era realmente várias pessoas em poucos metros quadrados.

Diante da situação, os agentes da Guarda Municipal decidiram fechar o local e o grupo precisou ir embora. 

Doações

Desde que o Campeonato Mineiro foi paralisado, no dia 15 de março, por causa da pandemia do coronavírus, as torcidas organizadas têm se reunido nas sedes para promever campanhas sociais. A Máfia Azul arrecadou, até o momento, 20 toneladas de alimentos.

A ação também ganhou apoio de jogadores do Cruzeiro. O atacante Marcelo Moreno visitou a sede da organizada e acompanhou o trabalho dos torcedores. Em uma das entregas, o zagueiro Léo acompanhou a distribuição das cestas.

— Respeitando o espaço, o tanho permitido, o número de pessoas que pode haver, para que nos temos essa contenção da doença. Então que eles façam de forma realmente legal e respeitando esses cuidados que nos já temos orientados a população.

O subinspetor Santos destaca, no entanto, que os grupos precisam adotar cuidados ao promover qualquer ação.

— Eles precisam respeitar o número de pessoas que pode haver no espaço para que tenhamos a contenção da doença.