Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Justiça interdita exposição de cunho político em escola durante votação

Material apresenta cruzes pretas que atribuem casos de homicídios a policiais e carrega os dizeres "#elenão"; mostra está em zona eleitoral de BH

Minas Gerais|Pablo Nascimento, do R7

Exposição está no antigo prédio da Fafich
Exposição está no antigo prédio da Fafich Exposição está no antigo prédio da Fafich

O juiz Mauro Ferreira, da 34ª Zona Eleitoral, determinou a interdição parcial de uma exposição instalada na Escola Municipal Caio Líbano Soares, no bairro Santo Antônio, na região centro-sul de Belo Horizonte, durante a votação neste domingo (28). A medida foi tomada após eleitores denunciarem que a mostra carrega conteúdo de cunho político de apoio ao candidato Fernando Haddad (PT).

O material fruto de atividade acadêmica está instalado no hall de entrada do prédio da antiga Fafich (Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais). Todos os eleitores precisam passar pelo local para ter acesso às seções eleitorais.

Leia também:

Ocorrências neste domingo em MG vão de desacato a mesário preso

Publicidade

FHC: É preciso ter Constituição respeitada "ganhe quem ganhar"

A mostra apresenta cruzes pretas atribuindo casos de homicídios a policiais e carrega os dizeres "#elenão", usado por votantes contrários ao candidato do PSL, Jair Bolsonaro. O despacho determina a cobertura de ambas as imagens e o impedimento de acesso do público à exposição.

Publicidade

Em sua decisão, Ferreira defendeu que “a exposição, em qualquer outro contexto, poderia ser considerada como livre expressão do pensamento. O caso é que, no local de votação, veio a provocar tumulto e distúrbio entre eleitores partidários dos candidatos a presidente, inclusive com ameaça de destruição do material por parte de alguns".

Leia também

A PM (Polícia Militar) foi acionada para conter os ânimos de apoiadores de ambos os candidatos ao Planalto que trocaram agressões verbais no local.

As medidas valem apenas durante o período de votação. O magistrado ressaltou, ainda, que não houve determinação para o recolhimento do material, bem como a interrupção das aulas ou debates e manifestações culturais promovidos por professores e alunos.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.