tragédia brumadinho

Minas Gerais Mais uma vítima de Brumadinho é identificada após quase três anos

Mais uma vítima de Brumadinho é identificada após quase três anos

Lecilda de Oliveira era funcionária da Vale; outras seis vítimas do rompimento da barragem ainda não foram identificadas

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Lecilda de Oliveira tinha 49 anos quando morreu

Lecilda de Oliveira tinha 49 anos quando morreu

Divulgação / Avabrum

A Polícia Civil de Minas Gerais confirmou, nesta quarta-feira (29), a identificação de mais uma vítima da barragem da Vale em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Trata-se de Lecilda de Oliveira, então analista de operação da mineradora. Na época da tragédia que matou 270 pessoas, ela tinha 49 anos.

A identificação aconteceu com base em análise de DNA feita com ossos da vítima localizados em setembro deste ano. Desde então, a equipe de perícia trabalhava para extrair o material biológico, conforme detalha o perito Higgor Dornelas, chefe do Laboratório de DNA do Instituto de Criminalística.

"É um material de difícil obtenção do DNA, mas que permite uma maior conservação. São os remanescentes ideais para a gente fazer essa identificação depois de tanto tempo. São quase três anos", afirma.

O anúncio ocorre a 26 dias da data em que a tragédia completará três anos. Outras seis vítimas seguem sem serem identificadas (veja a lista abaixo). Dornelas explica que, mesmo passado tantos meses da tragédia, ainda é possível fazer novas identificações.

"Não é possível afirmar por quanto tempo ainda vamos conseguir, mas com relação a estes três anos, não é um prazo tão longo para análise de DNA. Ainda podemos fazer identificações com materiais remanescentes", detalha.

De acordo com a Comissão dos Não Encontrados de Brumadinho, os restos mortais de Lecilda serão sepultados na cidade da região metropolitana de Belo Horizonte, na tarde desta quinta-feira (30).

A barragem da Vale na mina de Córrego do Feijão estourou às 12h28 do dia 25 de janeiro de 2019. A lama de rejeitos varreu comunidades da zona rural de Brumadinho e provocou a morte de 270 pessoas. O material de descarte de mineração caiu no rio Paraopeba, que corta a cidade.

Veja quem são as seis vítimas ainda não identificadas:

Últimas