Minas Gerais MG: primeira semana de fevereiro deve ter chuva em todo o estado

MG: primeira semana de fevereiro deve ter chuva em todo o estado

Acumulado deve ser mais significativo na Grande BH e no Rio Doce; precipitações devem alternar entre chuvas fracas e pancadas

  • Minas Gerais | Mayara Folco, da Record TV Minas e Giovana Maldini*, do R7

Estado deve ter chuva nos próximos quatro dias

Estado deve ter chuva nos próximos quatro dias

Reprodução / Freepik

Minas Gerais deve registrar chuvas em todo o estado nos próximos quatro dias, segundo o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia). Os moradores das regiões do Vale do Rio Doce e metropolitana de Belo Horizonte devem ficar atentos, já que o acumulado deve ser mais significativo nessas áreas.

Segundo o meteorologista e coordenador do instituto, Lizandro Gemiacki, essas precipitações devem alternar entre chuvas mais contínuas e fracas, com tempo nublado, e pancadas típicas de final de tarde. “Estamos no auge da estação chuvosa, elas são bem comuns nessa época do ano”.

No mês de janeiro, Minas Gerais enfrentou chuvas intensas que deixaram estragos em vários municípios. No período de 2021/2022, que vai de outubro a março, os temporais deixaram 25 mortos, 8.133 desabrigados, ou seja, pessoas que se deslocaram para abrigos públicos após terem sua casa danificada ou ameaçada pelas chuvas, e 48.930 desalojados, que precisaram deixar suas casas e de deslocaram para a casa de amigos e parentes.


O meteorologista explica que o mês registrou mais temporais do que o esperado por causa da atuação da Zona de Convergência do Atlântico Sul, que é um sistema meteorológico responsável por causar chuvas intensas e contínuas durante vários dias seguidos. Isso fez com que janeiro registrasse entre 60% e 70% acima da média esperada para o mês.

“Na primeira semana de fevereiro, a previsão também está indicando muita chuva, acumulados muito significativos, principalmente na metropolitana e Rio Doce. Como o solo está saturado, as áreas de risco correm ainda mais risco. Então prestar muita atenção nas áreas de possíveis deslizamentos”, explica Gemiacki.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Pablo Nascimento

Últimas