Minas Gerais Missão dos bombeiros de Minas em Moçambique é prorrogada

Missão dos bombeiros de Minas em Moçambique é prorrogada

Militares que atuaram nas buscas e resgate em Brumadinho e estão no país africano, que foi atingido por ciclone, devem ficar mais duas semanas no local

Algumas regiões só podem ser acessadas por helicópteros

Algumas regiões só podem ser acessadas por helicópteros

Divulgação / Corpo de Bombeiros

A missão humanitária dos bombeiros de Minas Gerais em Moçambique, na África, foi extendida até, pelo menos, o dia 7 de maio. Cerca de 20 militares, que atuaram nos trabalhos de busca e resgate após o rompimento da barragem de Brumadinho (MG), estão desde o dia 1º no país africano. 

Dentre as atividades realizadas pelos militares estão a coordenação da distribuição de alimentos em áreas que ficaram totalmente isoladas após a passagem do ciclone Idai, em março. Uma dessas regiões é a de Nhamisenguere, onde só é possível acessar por meio de um helicóptero. 

Segundo o Corpo de Bombeiros, desde o dia 15 de março, poucas entregas chegaram à região, devido às dificuldades de acesso. Por iniciativa do sargento Leonardo, em contato com o World Food Program, programa da ONU para a alimentação, mais de duas toneladas de arroz, feijão, farinha, milho, açúcar e óleo foram transportados até a localidade e distribuídos entre os moradores, muitos deles em estado de desnutrição em função da escassez de comida.

Veja fotos da operação dos Bombeiros de MG em Moçambique

Além da distribuição de alimentos, os bombeiros também são responsáveis por outras tarefas, como a desobstrução de estradas para facilitar o acesso a localidades remotas, construção de pontes provisórias para substituir as que foram destruídas e inutilizadas pelas tempestades, além da construção de tendas e abrigos para as pessoas que perderam suas casas.  

Na mesma localidade, os militares iniciaram um trabalho de recuperação de uma escola, que teve o telhado removido pela passagem do ciclone. O objetivo é devolver a normalidade das rotinas das crianças que vivem no local. 

O Comandante da Operação em Moçambique, major Cosendey, também foi a campo para avaliar novas missões para os próximos dias. Ele identificou vários locais críticos na região de Dondo. Conversou com as crianças e entre um intervalo e outro deu uma aula de capoeira para os garotos que queriam aprender mais sobre o Brasil.

Missão

Após a conclusão dos trabalhos na região de Nhamisenguere, a equipe se deslocará para Chinamacondo, a 70 km da cidade de Beira, uma das mais atingidas pelo ciclone. Os bombeiros mineiros, assim como a Força Nacional, que também está no país africano, foram homenageados com o Ofício de Agradecimento da Câmara de Vereadores de Beira pela atuação das duas instituições na ajuda humanitária na cidade.

Últimas