Minas Gerais Morre jovem esfaqueado por vizinho após briga por barulho 

Morre jovem esfaqueado por vizinho após briga por barulho 

Júlio Lorens Júnior tinha 28 anos e não resistiu aos ferimentos; discussão aconteceu na quinta-feira (19) e o autor já foi preso

  • Minas Gerais | Pollyana Sales, da Record Tv Minas

Será velado e enterrado nesta sexta-feira (20) o corpo de Júlio César Lorens Júnior, de 28 anos, no Cemitério da Paz, região noroeste de Belo Horizonte. O jovem morreu após ser esfaqueado pelo vizinho, um idoso de 68 anos, durante uma discussão na manhã de quinta-feira (19), no bairro Santo Antônio, região centro-sul de Belo Horizonte. A vítima era filho do desembargador Júlio César Lorens.

Segundo a Polícia Militar, Júlio foi esfaqueado durante uma discussão com o vizinho no corredor do prédio em que moravam. O autor de 68 anos foi preso. A briga já era antiga entre os dois e o motivo seria o barulho provocado pelo idoso. Na manhã de quinta-feira (19), incomodado com o som de um martelo na cama, a vítima de 28 anos foi até o vizinho. Eles começaram a discutir e o jovem foi atingido por duas facadas no peito.

Briga foi registrada por câmeras do condomínio

Briga foi registrada por câmeras do condomínio

Reprodução / RecordTV Minas

Câmeras de segurança registraram o momento em que a briga começa no corredor do prédio. Um dos vizinhos joga spray de pimenta no rosto do outro, eles sobem as escadas, uma mulher aparece e corre ao preceber a confusão. Os dois descem novamente em meio a socos e pontapés. É nessa hora que o idoso dá duas facadas no vizinho. Ele sai e a vítima cambaleia até cair.

Júlio César foi encaminhado para o Hospital João 23, também na região centro-sul da capital, onde passou por uma cirurgia. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu.

Segundo a polícia, a vítima já tinha registrado cinco boletins de ocorrências contra o idoso pelo mesmo motivo, barulhos excessivo em horários impróprios. Os primeiros registros foram em 2020, e o jovem reclamava que o vizinho tinha o costume de bater nas paredes e portas do apartamento com marretas, o que incomodava toda a vizinhança. Os surtos aconteceriam com frequência e a Polícia Militar já havia ido ao prédio para verificar a situação.

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais lamentou a morte:

Veja a nota na íntegra:

"O presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, desembargador Gilson Soares Lemes, lamenta profundamente o falecimento de Júlio César Lorens Júnior, filho do desembargador Júlio César Lorens, ocorrido nesta quinta-feira (19/5). Em nome do Poder Judiciário, o presidente Gilson Lemes expressa solidariedade e condolências pela irreparável perda a familiares e amigos."

Últimas