Minas Gerais Motorista baleado por PM perdeu um olho e ainda pode ter sequelas neurológicas, informa família

Motorista baleado por PM perdeu um olho e ainda pode ter sequelas neurológicas, informa família

Policial, que estava de folga e à paisana, foi preso em flagrante pelo crime de lesão corporal

  • Minas Gerais | Do R7, com Helen Oliveira e Gabrielle Assis, da Record TV Minas

Testemunhas filmaram briga

Testemunhas filmaram briga

Reprodução/Redes Sociais

A esposa do motorista de aplicativo que levou um tiro no rosto de um policial militar à paisana durante uma briga de trânsito, neste sábado (30), informou que Bruno Adão Gomes da Silva, de 33 anos, perdeu o olho esquerdo, passou por uma cirurgia que durou dez horas e ainda pode ter sequelas neurológicas porque a bala atingiu o cérebro. O motorista está internado no Hospital João XXIII, no centro de Belo Horizonte. 

• Compartilhe esta notícia no WhatsApp
• Compartilhe esta notícia no Telegram

Segundo informações da Polícia Militar, o policial foi preso em flagrante pelo crime de lesão corporal. Aldir Gonçalves Ramos, de 41 anos, é cabo da PM e estava de folga e à paisana no momento do crime. Em nota divulgada pela PM, neste domingo (1º), foi informado que, após a briga, o militar foi conduzido à Delegacia da Polícia Civil, por tratar-se de crime comum e não militar. A polícia informa ainda que a Corregedoria da instituição acompanha o caso.

Questionada, a Polícia Civil de Minas Gerais afirmou que estão sendo realizadas as atividades de polícia judiciária a fim de apurar as circunstâncias do caso.

Entenda o caso 

A briga entre o motorista e o policial militar aconteceu na avenida Otacílio Negrão de Lima, na altura do número 3.450, no bairro Bandeirantes, na região da Pampulha, no início da tarde de sábado. Bruno estava de carro, e o policial pilotava uma moto vermelha. Segundo testemunhas, os dois começaram a discutir. 

Um vídeo gravado por uma testemunha mostra o momento em que o militar desce da moto e joga uma pedra no vidro traseiro do carro de Bruno. Uma briga física se inicia após o motorista de aplicativo desce do carro. Os dois chegaram a cair no chão, e o policial saca a arma. Pessoas que estavam no local contam que, para se defender, o motorista de aplicativo arrancou a arma da mão do cabo da PM e a jogou para longe. Depois de desarmar o policial militar, o motorista pediu ajuda a guardas municipais que estavam de serviço no local.

A guarda municipal explicou, em nota, que o motorista invadiu a Unidade de Segurança Preventiva (USP) da Guarda Civil Municipal de Belo Horizonte, instalada na avenida Otacílio Negrão de Lima, na Pampulha. Antes que o guarda municipal pudesse abordá-lo, o policial militar à paisana disse que estava perseguindo o motorista por tentativa de roubo.

Os dois homens começaram a brigar, e um disparo da arma do militar atingiu o motorista na testa. O Samu foi acionado e encaminhou o ferido para o pronto-socorro do Hospital João XXIII. 

Últimas