Minas Gerais 'Não tenho alternativa', diz Kalil sobre fechamento do comércio

'Não tenho alternativa', diz Kalil sobre fechamento do comércio

Medida vale para comércios não-essenciais e entra em vigor na próxima segunda; ocupação de UTI é de 86% na capital

  • Minas Gerais | Lucas Pavanelli, do R7

Kalil anunciou fechamento de boa parte do comércio a partir desta segunda-feira (11)

Kalil anunciou fechamento de boa parte do comércio a partir desta segunda-feira (11)

Reprodução/Prefeitura BH

Em um vídeo gravado na Prefeitura de Belo Horizonte após uma reunião com representantes do Comitê de Enfrentamento à Epidemia de Covid-19, o prefeito Alexandre Kalil confirmou que, com exceção dos estabelecimentos considerados essenciais, além das praças e parques municipais, o comércio da capital mineira estará proibido de funcionar a partir desta segunda-feira (11). 

- Na sexta-feira vai ser publicado o decreto e na segunda-feira a cidade está fechada. Eu não tive outra alternativa, não vamos fazer de Belo Horizonte um pandemônio. Estamos há dias da vacina e do fim dessa tragédia. 

De acordo com o prefeito, a cidade chegou no limite da covid-19.

- Nós avisamos, tentamos avisar que seria um período... tentamos manter mais quase 10 dias a cidade aberta quando os números eram perigosos mas, pelo menos, tínhamos a expectativa da responsabilidade. 

Ainda segundo Kalil, em pronunciamento, os comerciantes devem ser preparar para que a cidade volte à estaca zero. A piora nos indicadores monitorados pelo Executivo municipal é o que motiva o Comitê de Enfrentamento à Epidemia de Covid-19 a determinar o fechamento do comércio não-essencial.

- São números impressionantes. Houve uma importação da doença surpreendente. Temos casos, hoje, em hospitais particulares, de famílias inteiras que passaram o Natal juntos e estão todos internados. Nada mais triste para mim do que vir aqui falar sobre isso hoje. 

Indicadores

Na última semana, o prefeito Alexandre Kalil havia afirmado que a cidade seria "fechada" caso os indicadores não melhorassem em um intervalo de uma semana. E o que aconteceu, de acordo com os dados disponibilizados pelo Executivo, foi o contrário.

O índice de transmissão (Rt) do coronavírus passou de 0,96 para 1,06, o que demonstra uma expansão da covid-19 na cidade.

A taxa de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) nos hospitais de Belo Horizonte voltou a subir e atingiu o patamar de 86,1% nesta quarta-feira (6), de acordo com boletim epidemiológico divulgado pela prefeitura. Ontem, esse percentual era de 83,5%. Já a ocupação de leitos de enfermaria caiu de 65,3% para 63,9%. 

Outra preocupação da prefeitura, de acordo com o infectologista Unaí Tupinambás, que faz parte do Comitê de Enfrentamento à Epidemia de Covid-19 é o retorno de moradores que passaram o fim de ano em praias ou em outras cidades e que estão retornando para Belo Horizonte.

- Nós analisamos o conjunto dos indicadores e o cenário atual. As pessoas estão chegando do Réveillon, vimos muitas festas, praias e aeroportos lotados e acreditamos que o pior está por vir.

Últimas