Minas Gerais Número de mineiros interessados na CNH despenca 30%

Número de mineiros interessados na CNH despenca 30%

Crise econômica e mobilidade urbana são alguns dos fatores que influenciam queda; além dos alunos, os CFC's também são prejudicadas

Crise econômica prejudica alunos e instrutores

Crise econômica prejudica alunos e instrutores

Reprodução / RecordTV Minas

Caiu em 30% o número de pessoas interessadas em conseguir a CNH (carteira nacional de habilitação) em Minas Gerais. O levantamento do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) mostra que a quantidade de CNH´s emitidas está recuando nos últimos anos. O preço cobrado pelos CFC's (Centro de Formação de Condutores) e o custo com os exames de direção são alguns dos fatores para a queda.

Leia também:

Polícia descobre esquema de venda de carteiras de habilitação em BH

O preço não atinge apenas interessados na habilitação. Diante da queda na demanda de alunos, instrutores de auto-escolas conciliam o trabalho com tarefas em outras áreas. Há profissionais que lamentam a diminuição de 15 alunos diários para até um ou dois.

De acordo com o Denatran, entre 2013 e 2017, houve redução de 29,2% na emissão de carteiras de habilitação em Minas Gerais. Em 2013, foram concedidas 277.122 novas habilitações nas categorias A e B.

Já em 2017, 196.090. De janeiro a setembro deste ano, o Detran de Minas Gerais registrou 144.443 novas habilitações.

José Mário Rodrigues, do Sindicato dos Proprietários dos Centros de Formação de Condutores de Minas Gerais, cita alguns fatores que influenciam essa queda:

— A crise econômica que o país tem enfrentando nos últimos anos tem contribuído de forma acentuada pra que caia essa procura e, depois, a mobilidade urbana que também tem contribuído de uma forma muito significativa pra que o deslocamento seja mais rápido, mais prático, mais objetivo. Depois vêm os aplicativos que estão em evidência.

Para ser aprovado no exame para pilotar moto, o aluno gasta, em média, R$ 1.800. Para a categoria B, R$ 2.300. Os valores tendem a aumentar sempre que o Denatran faz alguma exigência. Em breve, por exemplo, pode ser o monitoramento por câmeras durante as aulas de direção.

* Estagiária do R7, com supervisão de Paulo Henrique Lobato