Minas Gerais Parentes de empresário são sequestradas por dívida em bitcoin

Parentes de empresário são sequestradas por dívida em bitcoin

Mãe e ex-cunhada foram levadas por suspeitos, em Anápolis (GO) para cativeiro em Unaí, em Minas Gerais; dívida seria de R$ 8 milhões, diz polícia

Imagens mostram momento em que suspeito leva uma das vítimas

Imagens mostram momento em que suspeito leva uma das vítimas

Polícia Civil de Minas Gerais/Divulgação

A mãe e a ex-cunhada de um empresário de Anápolis, a 60 km da capital goiana,  foram sequestradas e levadas para um cativeiro em uma fazenda em Unaí, no noroeste mineiro, na tarde deste sábado (30).

Durante a noite, o esconderijo foi encontrado pela Polícia Civil de Minas com a ajuda de moradores que notaram a passagem de um carro estranho em uma fazenda. O motivo do sequestro seria uma dívida de R$ 8 milhões em bitcoins do empresário de Goiás com o filho de empresários de Unaí.

Na manhã deste domingo (1º), policiais continuam em rastreamento na região, conhecida como Cabeceira Grande, para encontrar os dois criminosos, que conseguiram fugir do cerco ao cativeiro. Um deles já foi identificado pela polícia, segundo o delegado regional de Unaí Douglas Antônio Ramos Magela.

— Como é uma região muito extensa, não tem total cobertura de celular. No início da noite (de sábado), tivemos a informação de que em uma fazenda, entre Cabeceiras de Goiás e Cabeceira Grande, em Minas, teria um veiculo estranho adentrado em uma propriedade.

As vítimas são a mãe do empresário, de 68 anos, e a ex-cunhada,  de 31 anos, que era casada com o irmão dele. Elas estavam em um dos quartos da fazenda. O suspeito do sequestro também estava na casa e conseguiu fugir ao perceber a chegada das viaturas.

Imagens mostram abordagem

Um vídeo divulgado pela polícia mostra o filho da vítima sequestrada conversando com ela no cativeiro em uma chamada de vídeo pelo celular. Ele pergunta se os sequestradores estão maltratando a mãe, que nega agressões. O empresário, então, afirma: "em duas horas estou chegando no escritório e faço a transferência". "eu vou pagar e depois a gente acerta o resto, deixa eu pagar primeiro". Um homem tenta interromper o diálogo e o empresário retruca: "cala a boca, palhaço". 

A Delegacia Antisequestro de Goiás, que vai investigar o caso, também recebeu uma imagem de circuito de segurança que mostra o momento em que uma das vítimas é rendida por um homem. Ele veste um terno de cor preta e a leva até uma caminhonete branca que estava estacionada.

A polícia ainda não informou se alguma quantia chegou a ser depositada. As duas vítimas foram levadas pelos policiais para Anápolis, onde prestariam depoimento e passariam por exames de corpo de delito.