Minas Gerais Polícia de MG investiga se motorista atropelou cão intencionalmente

Polícia de MG investiga se motorista atropelou cão intencionalmente

Animal morreu após ser atingido por carro em Pedra Azul, no Vale do Jequitinhonha; cena foi flagrada por um circuito de segurança

  • Minas Gerais | Rodrigo Dias, da Record TV Minas

A Polícia Civil abriu um inquérito para apurar o caso de um cão que morreu atropelado em Pedra Azul, a 720 km de Belo Horizonte. Os investigadores querem descobrir se o motorista teve intenção de atingir o animal.

O atropelamento foi flagrado pelo circuito de segurança de uma casa. O suspeito entra no veículo, onde fica por alguns segundos. Em seguida ele dá a partida e atinge o cachorro, indo embora na sequência.

As imagens foram repassadas à Polícia Civil, que já identificou o motorista. A mestre em direito ambiental Andreia Bonifácio Santos esclarece que, caso seja provado a intencionalidade no atropelamento, o condutor pode ser condenado à prisão.

— Em relação a cães e gatos, a pena varia de 2 a 5 anos de detenção, perda da guarda e perda dos direitos de adotar animais. Caso o bicho tenha morrido, a pena ainda pode ser aumentada em até 33%.

Atropelamento foi flagrado por câmera

Atropelamento foi flagrado por câmera

Reprodução / Record TV Minas

Desde 2013, Minas Gerais conta com uma delegacia especializada em investigar crimes contra a fauna, sediada em Belo Horizonte. A investigadora Luísa de Oliveira Lisboa esclarece que, em casos como esse, a existência de imagens e testemunhas é fundamental para a condenação do suspeito.

— Testemunhas do local, vídeos de circuito de segurança, entre outras coisas. Uma perícia pode ser solicitada para enriquecer o processo de apuração. O crime de maus-tratos tem que ser doloso, ou seja, precisa ser comprovada a intenção do suspeito.

Últimas