Minas Gerais Preso por ataque a banco em Itajubá (MG) tem extenso histórico criminal, diz juiz

Preso por ataque a banco em Itajubá (MG) tem extenso histórico criminal, diz juiz

Homem de 33 anos já foi preso por roubo, tráfico de drogas e troca de tiros com a polícia durante assalto a caminhão dos Correios

  • Minas Gerais | Antonio Paulo, da Record TV Minas

Ataque aconteceu em agência da Caixa Econômica

Ataque aconteceu em agência da Caixa Econômica

Reprodução / Record TV Minas

O homem de 33 anos preso sob suspeita de envolvimento no ataque a uma agência da Caixa Econômica na cidade de Itajubá, a 450 km de Belo Horizonte, no último dia 23 de junho, tem uma longa ficha criminal.

A informação foi revelada pelo juiz Gustavo Moreira Mazzili, da 2ª Vara Federal Cível e Criminal da Justiça Federal em Pouso Alegre, no processo que tenta a liberdade do investigado.

De acordo com o juiz, o homem cometeu os crimes em Barbacena, a 260 km de Belo Horizonte. A lista tem registros como roubos, furto, tráfico de drogas e posse de arma entre os anos de 2015 e 2021. Ele vinha sendo monitorado eletronicamente, com tornozeleira, até fevereiro do ano passado, quando desobedeceu às medidas restritivas concedidas pelo regime domiciliar.

O juiz também cita um assalto a um caminhão dos Correios, em que o investigado trocou tiros com a polícia e conseguiu fugir em uma moto.

Na última semana, o magistrado chegou a conceder a soltura do detento, mas voltou atrás pelo fato de o preso "não possuir ocupação lícita e parecer ter personalidade voltada para o crime, sendo que sua liberdade prejudicaria a ordem pública, e reiterará a conduta delituosa, voltada ao mundo do crime, dada sua comprovada periculosidade".

"Não cabe substituir a prisão preventiva por outras medidas cautelares menos gravosas, neste momento", avalia o Mazzili.

Ataque em Itajubá (MG)

O ataque à agência bancária aconteceu na noite de 23 de junho. Criminosos cercaram o batalhão policial da cidade para impedir o trabalho dos militares. Eles usaram bombas dentro da agência, mas não conseguiram acesso ao cofre.

O grupo fugiu após intensa troca de tiros com a polícia. Os investigadores acreditam que ao menos 12 pessoas participaram do crime, mas somente um deles foi preso logo em seguida. No último sábado (25), a Polícia Civil de São Paulo encontrou na capital paulista armas que teriam sido usadas no crime. O homem que estava de posse do material foi detido.

Moradores relatam cenário de terror durante ataque a banco em Itajubá (MG):

Últimas