Minas Gerais Protocolo de volta às aulas em BH prevê limite de 12 alunos por sala

Protocolo de volta às aulas em BH prevê limite de 12 alunos por sala

Retomada só será feita quando BH registrar 20 casos a cada 100 mil habitantes durante 14 dias; alunos devem ficar na escola por até 4 horas

Volta às aulas em BH não tem data definida

Volta às aulas em BH não tem data definida

Reprodução / Freepik

A Prefeitura de Belo Horizonte publicou, nesta terça-feira (17), o protocolo para a volta às aulas no ensino fundamental, médio e superior na capital mineira. Apesar disso, ainda não há uma data definida para que os alunos possam voltar às atividades presenciais.

De acordo com a prefeitura, as aulas só devem voltar quando a capital alcançar uma “faixa de baixo risco”, ou seja, quando forem registrados 20 casos da covid-19 por 100 mil habitantes durante 14 dias. No total, seria algo em torno de 252 casos por dia.

Entrada e saída

Os alunos devem permanecer na escola por, no máximo, 4 horas, e a entrada e saída serão feitas de forma gradual. Os pais não poderão entrar na escola junto com os filhos e, na saída, caso o responsável não esteja na porta, o aluno poderá aguardar em um ambiente separado, respeitando o distanciamento social.

Salas de aula

Cada sala poderá ter, no máximo, 12 alunos e o distanciamento entre eles deve ser de 2 metros, comos lugares marcadas no chão. Entre uma aula e outra, deve ser feito um intervalo de 15 minutos para que os alunos possam circular por áreas abertas.

Os estudantes devem evitar a troca de material entre si e o uso de brinquedos compartilhados, como blocos de montar, massinhas de modelar, entre outros.

Na separação das turmas em grupos, deve ser levado em conta critérios como idade, a situação de trabalho das famílias, o maior ou menor acesso ao ensino remoto e a possibilidade desses estudantes morarem com pessoas de risco. A prioridade no retorno será dos alunos que estão sendo alfabetizados ou que tenham dificuldades com estudos mediados.

Professores e colaboradores pertencentes ao grupo de risco não poderão trabalhar de forma presencial. Os profissionais que costumam ter mais contato com os alunos devem utilizar protetor facial do tipo face shield. O protocolo ainda recomenda que “se evite conversas desnecessárias entre si e com os alunos”.

Alimentação

O protocolo prevê que, se possível, as refeições devem entregues e feitas em sala de aula, No caso do ensino fundamental, o professor terá que observar os alunos se alimentando, permanecendo na porta da sala. Caso algum aluno espirre durante a alimentação, o espaço em que este aluno estava deve ser completamente higienizado.

Veja: Volta às aulas em MG pode expor 1 milhão em grupo de risco

Caso a alimentação seja em refeitórios, os alunos devem respeitar a distância mínima de 2 metros. A prefeitura recomenda o uso de talheres descartáveis e determina que saleiros e potes de molho sejam retirados das mesas. As lanchonetes e restaurantes que ficam dentro das escolas devem seguir o protocolo normal de bares e restaurantes.

Ensino superior

Um protocolo específico para o ensino superior e profissional também foi divulgado. Nestes casos, a capacidade da sala de aula estará relacionada ao tamanho da sala e ao distanciamento mínimo de 2 metros entre os estudantes. No caso de laboratórios, a capacidade deve ser de uma pessoa a cada 5 m².

*Estagiário do R7 sob a supervisão de Lucas Pavanelli.

Últimas