Minas Gerais Servidores acusam Governo de MG de suspender licenças médicas

Servidores acusam Governo de MG de suspender licenças médicas

Mesmo com atestados e perícia, servidores estariam sem receber salários; Governo de Minas nega e afirma que nenhuma licença foi suspensa

  • Minas Gerais | Rodrigo Dias, da Record TV Minas

Servidores do Estado de Minas Gerais que estavam afastados por causa de doenças afirmam que tiveram suas licenças médicas e o pagamento dos salários suspensos pelo Governo de Minas.
 
Uma das denúncias foi feita pela professora Adriana do Carmo Duarte, servidora há 13 anos, mas que, desde 2013, precisou tirar licenças por problemas na coluna e depressão.

Ela conta que, no ano passado, foi convocada para voltar ao trabalho, mas um perito negou o retorno, confirmado que ela não tinha condições de lecionar. Adriana afirma que teve o salário suspenso mesmo com laudos assinados por peritos médicos do Governo de Minas que comprovam os problemas de saúde.
 
— A minha única fonte de renda, que era o salário, foi suspensa. Eu até tentei me cadastrar no auxílio emergencial, mas a Caixa informou que eu tenho vínculo com o Estado, mesmo eu estando sem receber desde setembro de 2019. A minha situação financeira está muito precária.

Servidora afastada afirma que não recebe desde 2019

Servidora afastada afirma que não recebe desde 2019

Reprodução / Record TV Minas

Outras denúncias
 
A auxiliar de educação básica Clecy Fernandes também afirma ter tido sua licença suspensa. Ela teve um acidente na cantina da escola e conta que, desde 2018, tenta provar para o Estado de Minas Gerais que não tem condições médicas de voltar ao trabalho.
 
— Eu tenho várias problemas na coluna e nas articulações. Já estou entrando com o terceiro recurso contra o governo, mas, até agora, nenhuma resposta. Estou vivendo às custas da minha filha.

Veja: Covid-19: suspeita afasta 95 servidores da saúde em Minas
 
O problema também atinge outros setores do Governo de Minas. Uma servidora da Saúde, que preferiu não se identificar, alega que encaminhou todos os atestados e comprovou ser do grupo de risco da covid-19, mas, mesmo assim, teve a licença médica negada.
 
Outro lado
 
Em nota, o Governo de Minas informa que tem mais de 133 mil servidores efetivos atualmente, sendo 3.252 com licença médica ativa. Segundo a nota, nenhuma licença para tratamento de saúde foi suspensa pelo governo.

Últimas