Minas Gerais Três funcionárias são suspeitas de fraude em cartório da Grande BH 

Três funcionárias são suspeitas de fraude em cartório da Grande BH 

Denúncia anônima revelou que os casais pagavam pelos registros civis, mas o dinheiro não entrava no caixa do cartório, localizado em Contagem (MG)

  • Minas Gerais | Garcia Júnior, da Record TV Minas

Três funcionárias são suspeitas de um suposto esquema de fraudes em um Cartório de Registro Civil de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte.

O esquema foi revelado por uma das participantes, que denunciou que os casais pagavam pelas taxas de registro de casamento civil, mas o dinheiro era desviado antes de chegar ao caixa do cartório. Segundo ela, a chefe do setor e outra funcionária estão envolvidas no esquema.

De acordo com a advogada da suspeita que confessou a fraude, ela explica que foi coagida pela chefe do setor a fazer parte do golpe.

— A chefe do setor que começou o esquema. Até o momento em que minha cliente denunciou o esquema, a chefe foi até ela e disse ela ia participar do e que não podia contar isso pra ninguém. Todos os dias ela era ameaçada por isso. Se ela contasse, ela seria taxada como a mentora do esquema.

Esquema acontecia em um cartório de Contagem (MG)

Esquema acontecia em um cartório de Contagem (MG)

Reprodução/RecordTVMinas

Uma gravação telefônica feita pela denunciante confirma que ela foi coagida a entrar no esquema.

"Eu entrei nessa por coação. O que acontece, todo mundo tem minha senha e às vezes, tinham coisas que eram feitas com minha senha", disse a suspeita no áudio. 

Ao receber as denúncias anônimas da suspeita por telefone, o cartório descobriu o esquema.

"Disse que o setor de casamento tava roubando. As meninas estavam roubando. Foram uns 55 casamentos desviados", disse um funcionário em outra gravação.

A suspeita, denunciante do crime, não soube informar há quanto tempo, exatamente, existia o esquema e nem quanto foi desviado. Segundo a advogada dela, a mulher vai tentar provar na Justiça a coação e que não é a mentora da fraude.

— Inclusive a capa do processo consta somente o nome dela [denunciante] como estelionatária. As outras duas estão sendo investigadas, mas no momento que foram chamadas e intimadas a depor, utilizaram o direito constitucional de se manterem caladas. 

Outro lado

Por nota, o cartório informou que aguarda a conclusão do inquérito e disse ainda que nenhum casal de noivos foi prejudicado já que os casamentos foram realizados em conformidade com a lei.

Últimas