Folha de Pernambuco Outros vírus que circulam no Brasil preocupam mais do que o Covid-19

Outros vírus que circulam no Brasil preocupam mais do que o Covid-19

Dos 11 casos descartados para coronavírus em Pernambuco, três foram positivos para Influenza B e quatro para Influenza A (H1N1)

Dos 11 casos descartados para coronavírus em Pernambuco, três foram positivos para Influenza B e quatro para Influenza A (H1N1)

Dos 11 casos descartados para coronavírus em Pernambuco, três foram positivos para Influenza B e quatro para Influenza A (H1N1)

Folha de Pernambuco

Mais um caso suspeito do novo coronavírus foi descartado em Pernambuco. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), o Estado tem 11 casos descartados e quatro em investigação (um no Recife, dois em Olinda e um em Jaboatão), totalizando 15 notificações. Todos os pacientes que têm quadros clínicos sob investigação receberam atendimento hospitalar e após orientações foram encaminhados para isolamento domiciliar. Eles estão sendo monitorados pelas equipes de Vigilância Epidemiológica e da Atenção Primária dos municípios.

Em relação ao balanço divulgado anteriormente, houve uma nova notificação para a Covid-19, doença causada pelo novo vírus, e um dos casos em investigação foi descartado. Segundo o infectologista e chefe do setor de Infectologia do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc), Demetrius Montenegro, o novo registro foi de um homem de 24 anos, que esteve na Itália e apresentou sintomas respiratórios leves. O paciente mora em Jaboatão dos Guararapes e está clinicamente bem.

Leia também:
Ministério da Saúde confirma 488 casos suspeitos do novo coronavírus no Brasil
Brasil inclui Estados Unidos em análise de casos de suspeita do novo coronavírus


Dos 11 casos descartados, três não tiveram resultado positivo para nenhum vírus respiratório, três foram positivos para Influenza B, quatro para Influenza A (H1N1) e um caso de Beta coronavírus OC43, que não tem relação com o novo vírus e não oferece tanto risco. Segundo o infectologista da Universidade de Pernambuco (UPE), Filipe Prohaska, o H1N1 é o que causa maior preocupação. "Porque é um vírus que pega extremos de idades e grávidas e de intensidade grande nestes grupos de risco. Agora, em número de casos o Influenza B é sempre maior, pois é mais comum", disse.

Ainda conforme o especialista, entre os vírus respiratórios, o H1N1 também é o que mais traz preocupação de mortalidade pela sua gravidade. Ele destaca que a vacina é uma das aliadas no combate. Atualmente, a distribuída na rede pública é a trivalente, que combate os a Influenza A (H1N1), B e H3N2. "Veja que o temor do corona levou as pessoas a uma compra desenfreada de álcool em gel, quando na verdade essa preocupação deveria ser diária para nos protegermos destas e tantas outras doenças infecciosas que podem ser transmitidas pelas mãos", disse.

Lei Seca
Têm circulado nas redes sociais notícias falsas dizendo que o álcool em gel, uma das formas de higienizar as mãos para evitar o contágio pelo coronavírus, seria capaz de causar falsos positivos nas abordagens da Lei Seca. Contudo, o coordenador da Lei Seca em Pernambuco, major Felipe Gondim, explica que o álcool em gel poderia influenciar apenas se fosse usado utilizado dentro de um ambiente fechado, imediatamente antes do teste ser feito.

"Fazemos o teste sempre em ambiente aberto. Convidamos o usuário a sair do veículo e se dirigir ao local onde fazemos um bafômetro. Porém, caso o condutor argumente que usou o gel momento antes, será sugerido um novo teste em 15 minutos, pois o álcool vai evaporar no ar e não vai dar positivo”, disse. O major explicou que esse mesmo procedimento é utilizado com relação aos enxaguantes bucais que contêm álcool.

Últimas