Folha de Pernambuco 'Ricos de amor', comédia romântica brasileira, estreia na Netflix

'Ricos de amor', comédia romântica brasileira, estreia na Netflix

Filme, que chega ao catálogo do serviço de streaming nesta quinta-feira, conta com Danilo Mesquita e Giovanna Lancellotti

Filme, que chega ao catálogo do serviço de streaming nesta quinta-feira, conta com Danilo Mesquita e Giovanna Lancellotti

Filme, que chega ao catálogo do serviço de streaming nesta quinta-feira, conta com Danilo Mesquita e Giovanna Lancellotti

Folha de Pernambuco

O novo filme original brasileiro da Netflix, “Ricos de amor”, promete trazer um pouco de leveza em tempos tão difíceis. Dirigida por Bruno Garotti (“Cinderela Pop”, “Eu fiko loko”), a comédia romântica estreia neste quinta-feira (30) no serviço de streaming e conta uma história de amor entre um herdeiro mimado e uma estudante de medicina esforçada.

Danilo Mesquita interpreta Tato, conhecido em sua cidade como o Príncipe do Tomate. Filho do dono de uma próspera empresa do ramo alimentício, ele é um verdadeiro “agroboy”: rico, vive em festas e desfila por aí com roupas de grife e carrão. Segundo o ator baiano, o personagem e ele têm pouquíssimas semelhanças. “Temos histórias de vida e viemos de lugares completamente diferentes. A única coisa que me ligaria a ele é a gaiatice, como a gente fala aqui na Bahia. Ele é um cara muito comunicativo e eu acho que tenho um pouco disso também”, comentou, em entrevista à Folha de Pernambuco.

Na trama, os dias de farra de Tato chegam ao fim quando ele completa 18 anos e seu pai resolve que chegou a hora de seu futuro herdeiro trabalhar. Ao mesmo tempo, o rapaz conhece a estudante de medicina Paula, vivida por Giovanna Lancellotti. Para conquistar a garota, que não fica deslumbrada diante de tanta riqueza, ele mente sobre sua origem e finge que é filho do caseiro da fazenda onde mora. Danilo afirma que a parceria com a colega, com quem já contracenou na novela “Segundo Sol”, foi fundamental para ele.

Leia também:
Diretor de 'Sergio' fala sobre lançamento do filme na pandemia
Crítica: 'Sergio' enaltece figura de diplomata brasileiro


“Recebi o convite ainda sem um roteiro pronto. Só tinha a sinopse, uma ideia que seria desenvolvida. Então, na verdade, uma das coisas que me fez aceitar foi saber que seria com a Gio. Ela é uma pessoa que eu gosto muito e trabalhar com amigos é sempre maravilhoso. Quando a produtora de elenco falou o nome dela, de cara eu já me animei”, revela. O elenco conta ainda com nomes como Jaffar Bambirra, Lellê, Fernanda Paes Leme, Bruna Griphao, Ernani Moraes e Caio Paduan, além de participação do DJ Alok.



Ainda que de maneira superficial, o longa-metragem toca em temas de relevância social, como machismo, desigualdade social e o mito da meritocracia. Para provar ao pai e a si mesmo que consegue um emprego por mérito próprio, Tato vai para o Rio de Janeiro e encara uma seleção na própria empresa, mas escondendo sua real identidade. A partir de então, ele descobre que a vida não é tão fácil para quem não tem um sobrenome de peso. Enquanto isso, Paula luta para ter seu trabalho como residente em um hospital reconhecido, mas é diariamente assediada por seu supervisor.

“Acho que é um filme que fala sobre transformação. Ele mostra a capacidade que você tem de, ao encontrar outras pessoas, abrir mão dos seus privilégios e deixar sua zona de conforto. O Teto é um personagem completamente equivocado, porque ele fala de dentro de uma bolha, onde não se relacionava com a vida real. Só quando se depara com a realidade do mundo é que ele tem a chance de aprender e de evoluir com isso. Achei bonito falar disso nesse momento, onde as coisas estão tão à flor da pele para todo mundo. Espero que as pessoas se divirtam assistindo, mas também consigam refletir sobre essa e outras questões”, reflete.

Últimas