Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Além das Embaixadas
Publicidade

'Difícil um cessar-fogo sem resolver a questão de reféns', diz embaixador de Israel no Brasil

A fala veio seguida de um apelo para a liberação dos reféns do grupo terrorista Hamas

Além das Embaixadas|Natalie Machado e Natalie Machado


Entrevista com Embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zonshine
Entrevista com Embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zonshine Adiel Rodrigues/RECORD

Na chuvosa tarde desta segunda-feira (25) em Brasília, o embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zonshine, recebeu alguns jornalistas na residência oficial e deixou claro: "Há uma pressão internacional em Israel. Eles acham que essa pressão vai nos parar sem liberarem os reféns, mas isso não vai acontecer."

A fala veio depois de ser questionado sobre um possível cessar-fogo, sugerido pelo Conselho de Segurança da ONU, até o dia 9 de abril.

"Difícil um cessar-fogo sem resolver a questão de reféns. Não sei se até 9 de abril chegaremos a uma situação melhor nessa questão dos reféns. O Hamas não é um estado organizado. São terroristas. Sabem muito bem a sensibilidade deste assunto da questão de reféns. Para a sociedade israelense, os reféns devem voltar", afirmou Zonshine.

Atualmente, 134 israelenses são mantidos como reféns pelo grupo terrorista Hamas e não há previsão de quando poderão ser libertados. Em contrapartida, aproximadamente 700 palestinos estão sob a guarda de Israel.

Publicidade

A inteligência israelense levantou dados a respeito da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (UNRWA) e divulgou as seguintes informações:

- 15 pessoas de UNRWA participaram ativamente do ataque de 7 de outubro.

Publicidade

- 12 mil pessoas trabalham para o UNRWA.

- 17% deles são ligados ao Hamas. O que representa 2135 pessoas.

Publicidade

- 485 deles são ativistas do braço militar do Hamas e recebem salário da ONU

- 1650 pessoas são de outras atividades dos Hamas (saúde, educação e assuntos sociais)

- 18 deles foram parte dos ativistas

- 32 pessoas contribuem com parte da brigada Al Qassam, braço militar do Hamas que atua na faixa de Gaza. Elas oferecem abastecimento de combustível e armazenamento de materiais bélicos e lançamentos de foguetes.

Diante desta realidade, até o momento, 18 países deixaram de enviar ajuda humanitária pela UNRAW. Porém, o Brasil afirmou que aumentará o apoio. "Existem outras maneiras de passar comidas e medicamentos para a Faixa de Gaza. Aumentar o poder do UNRWA não vai melhorar a situação na faixa de Gaza", disse Zonshine.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.