A Lista de Duvivier é um monumento à sordidez

O depoimento do comediante à PF confirma que certas demonstrações de covardia requerem mais coragem que atos de bravura em combate

Capturadas pela Polícia Federal, as conversas da dupla no aplicativo Telegram revelam que Gregorio Duvivier e Walter Delgatti Neto nasceram um para o outro. “Feliz de conhecer o hacker”, festejou o humorista na manhã de 14 de julho, ao receber o primeiro recado do chefe da quadrilha que estuprara o sigilo de mensagens atribuídas a Sergio Moro e procuradores federais engajados na Operação Lava Jato. Em seguida, cumprimentou Delgatti pelo crime praticado em parceria com Glenn Greenwald, receptador do material roubado. “Você vai mudar o destino do país”, derramou-se Duvivier. Algumas dezenas de palavras depois, o tom íntimo do diálogo digital lembrava um reencontro de amigos de infância.

O ator Gregorio Duvivier

O ator Gregorio Duvivier

Divulgação

“Tem algo da Globo?, pergunta Duvivier. Animado com o recado seguinte — “Peguei bastante” —, quer saber os nomes das vítimas. Decepcionado com a informação de que o único alvo fora William Bonner, o comediante trucida valores morais, códigos éticos e a língua portuguesa com apenas oito palavras: “Cara os chefões da Globo vale pegar hein”. A risada eletrônica que encerra a resposta informa que Delgatti acha a ideia divertida: “Me fala nomes kkkk”. A conversa é retomada com a Lista de Duvivier. Começa com Carlos Schroder, diretor-geral da Globo, e Ali Kamel, diretor de jornalismo da rede de televisão em que o comediante frequentemente se apresenta.

Tão agressivo nos discursos de palanqueiro do PT, tão atrevido ao invocar o direito de ofender a religiosidade alheia, o Duvivier beligerante sumiu assim que a Polícia Federal apreendeu o palavrório sórdido. Entrou em cena o pusilânime pronto para a rendição desonrosa. “Ele entregou espontaneamente todas as mensagens trocadas com o hacker, com o objetivo de cooperar com as investigações”, disse o advogado Augusto de Arruda Botelho. Ao declamar sua versão no depoimento à PF, o humorista confirmou que certas demonstrações de covardia requerem mais coragem do que atos de bravura em combate que rendem medalhas e condecorações.

Segundo o advogado, “Gregorio explicou detalhadamente que, aleatoriamente, mencionou uma série de nomes, em uma conversa informal, sem qualquer intenção ou interesse de que tais nomes de fato fossem interceptados ou muito menos investigados”. As “menções aleatórias, fruto de mera curiosidade”, não incluíram alguma professora de matemática que o perseguia, ou a namorada com quem dividiu o primeiro beijo, ou o vizinho que lhe confiscava o sono ouvindo música sertaneja no último volume. Sem saber por que, o depoente foi logo pensando nos diretores da Globo, no governador Wilson Witzel, no juiz Marcelo Bretas, responsável pelas ações da Lava Jato no Rio, além de outros inimigos do tempo presente. É muito cinismo e pouca vergonha.

O que deveria ser um depoimento foi uma piada sussurrada por um humorista apavorado. Foi também uma prova de que medo de cadeia cura insolência.