Celso de Mello fabricou uma delirante fake news

O Brasil de 2020 é tão parecido com a Alemanha nazista quanto o Pavão de Tatuí com Rui Barbosa

Ministro Celso de Mello durante sessão do STF. Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF (11/12/2019)

Ministro Celso de Mello durante sessão do STF. Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF (11/12/2019)

Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF

O presidente Jair Bolsonaro tem reiterado quase diariamente seu respeito ao Estado Democrático de Direito. Eleito pelo voto direto, ele já deixou claro que pretende disputar nas urnas um segundo mandato. Para ampliar o apoio parlamentar ao governo, vem preenchendo cargos do segundo escalão com nomes indicados por partidos políticos. Bolsonaro tampouco tentou punir adversários que o insultaram. Tudo somado, não faz sentido enxergar no Brasil de 2020 uma versão latina da Alemanha subjugada de Adolf Hitler.

Ao lado do comunismo stalinista, o nazismo alemão foi o mais apavorante pesadelo político registrado pela história. Hitler eliminou fisicamente oposicionistas, matou milhões de prisioneiros dos campos de concentração e provocou uma guerra mundial. Compará-lo a Bolsonaro, como fez o ministro Celso de Mello, é na mais branda das hipóteses, uma lastimável fake news. É esse o novo nome de um tipo de mentira que causa ataques de nervos no Supremo Tribunal Federal quando o atingido é um dos 11 ministros.