Autos Carros Citroën registra crescimento de 207% nas vendas em janeiro

Citroën registra crescimento de 207% nas vendas em janeiro

Marca emplacou 2.488 veículos no primeiro mês deste ano

Resumindo a Notícia

  • Citroën C4 Cactus fechou janeiro com uma participação de mercado de 7,2%
  • Modelo também atingiu a marca de 50 mil unidades vendidas no Brasil
  • SUV teve 2.283 unidades compradas
SUV teve 2.283 unidades compradas

SUV teve 2.283 unidades compradas

Guilherme Magna 24.11.2021

A Citroën divulgou dados de vendas de janeiro que mostram crescimento de 207% em volume de vendas em comparação com o mesmo período de 2021. No primeiro mês deste ano, a marca comercializou 2.488 veículos, o que garantiu uma participação de mercado de 2,1% no Brasil.

Citroën C4 Cactus X-Series - lançamento por R$ 106,9 mil: vale a pena? Veja o vídeo!

O Citroën C4 Cactus fechou janeiro com uma participação de mercado de 7,2%, uma vez que teve 2.283 unidades compradas. O modelo também atingiu a marca de 50 mil unidades vendidas no Brasil desde quando foi lançado em 2018.

SUV atingiu a marca de 50 mil unidades vendidas no Brasil desde 2018

SUV atingiu a marca de 50 mil unidades vendidas no Brasil desde 2018

Guilherme Magna 24.11.2021

Apesar dos bons números, o C4 Cactus ficou atrás dos seus principais concorrentes como Jeep Renegade, que teve 4.999 unidades vendidas, Hyundai Creta com 4.175 unidades emplacadas, além do "novato" Fiat Pulse, que fechou janeiro com 3.192 unidades negociadas. Os dados são da Fenabrave.

Modelo é vendido no mercado brasileiro desde 2018

Modelo é vendido no mercado brasileiro desde 2018

Citroën/Divulgação

Em relação aos veículos utilitários leves, a marca teve um crescimento de 31% ante janeiro de 2021. O Jumpy teve 198 unidades comercializadas. Já o seu "primo" Peugeot Expert fechou com 398 unidades compradas. O utilitário ainda fica atrás do Renault Master, que teve 623 unidades licenciadas e do Fiat Ducato com 452 unidades adquiridas.

*Em colaboração Felipe Salomão

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas