Autos Carros [Comparativo] Sandero Zen ou Onix LT 1.0: qual leva a melhor?

[Comparativo] Sandero Zen ou Onix LT 1.0: qual leva a melhor?

Colocamos os dois hatchs compactos frente a frente comparando uma das versões mais em conta de cada um: com motor 3 cilindros aspirado eles tem em comum os 82cv mas são muito diferentes entre si.

  • Autos Carros | Do R7

Marcos Camargo

O R7 Autos Carros colocou frente a frente os modelos Renault Sandero na versão Zen e o Chevrolet Onix na versão LT ambos com motor 1.0 três cilindros naturalmente aspirados.

Marcos Camargo


De um lado está o carro mais vendido do Brasil por cinco anos consecutivos, o Chevrolet Onix que ganhou uma nova geração em 2019. Nova plataforma, novo visual e conjunto mecânico e a promessa da montadora de ser o hatch aspirado mais econômico do país. De outro lado, está o já consagrado Renault Sandero, que chegou ao mercado em 2007 e passou por uma profunda reestilização já que o motor 1.0 SCe é oferecido há alguns anos.

Marcos Camargo

O Chevrolet Onix LT é uma das versões mais acessíveis do compacto mas vem bem equipado com o pacote LT3. O carro traz motor 1.0 três cilindros de 79cv com gasolina e 82cv com etanol, torque de 10,5kgfm e câmbio manual de seis velocidades único no segmento.

Marcos Camargo


Já o Sandero também não apresenta mudanças no visual. Em 2019 o hatch ganhou opção de câmbio automático CVT enquanto os modelos mais em conta como esse da foto se manteve inalterado. Na versão avaliada, o carro vem com calotas, mas os pneus também são aro 15” como no Chevrolet. O conjunto mecânico é similar ao de seu concorrente; 1.0 três cilindros de 79cv com gasolina e 82cv com etanol e o torque é de 10,5kgfm.

Marcos Camargo


Por dentro, os carros apresentam conforto digno de sua categoria mas o Sandero leva a melhor no quesito espaço interno. Com entre-eixos de 2,59m o carro dispõe de um bom espaço para os ocupantes que vão no banco traseiro e o porta malas tem 320 litros. Nos dois modelos os bancos são de tecido e o painel de instrumentos mescla elementos analógicos com digitais. O Onix leva vantagem na multimídia que conta com o assistente Mylink e internet Wi-Fi 4G, além de espelhamento para Android auto e Apple Carplay. O Renault Sandero também conta com espelhamento de ambos sistemas operacionais no Media Evolution, porém sua funcionalidade não é tão simples quanto o Onix. Os passageiros do Chevrolet terão conforto no banco traseiro mas não o latifúndio do Renault. Apesar disso terão à disposição dois pontos de recarga USB o que é uma grande vantagem hoje em dia.

Marcos Camargo


Em termos de construção o painel denota a diferença de projeto que no caso do Sandero é bem mais antigo e menos ergonômico. O Chevrolet é mais baixo e refinado com linhas esportivas esculpidas na peça embora seja tudo plástico. O Renault traz um painel alto e menos trabalhado.

Marcos Camargo

Dia a dia

Marcos Camargo

No caso do Chevrolet Onix o desempenho foi superior ao do Sandero. O modelo mais vendido do país tem câmbio manual de seis marchas, que dá mais fôlego ao carro. O hatch também trabalha em baixas rotações o que auxilia na economia de combustível. Nos trechos urbanos registramos uma média de 10,8km/l já nos trechos rodoviários a média foi de 13,9km/l, abastecido com gasolina. A direção elétrica é outro ponto de destaque pela leveza e o conforto a bordo é muito superior ao Renault. O Chevrolet não vibra e o motor tricilíndrico é ouvido só em altas rotações.

Marcos Camargo

O Sandero foi um modelo que impressionou no quesito economia. Nos trechos urbanos nossa média foi de 13,5km/l, já na estrada nosso registro foi de 15,3km/l, abastecidos com etanol. Apesar disso o Renault trabalha em regime de rotação mais alto que chega a incomodar na estrada. O câmbio de cinco marchas tem engates imprecisos e é preciso se acostumar com a grande alavanca, herança da marca.

Outro ponto positivo para os dois modelos é o conforto a bordo. No caso do Onix, a suspensão traseira com eixo de torção e barra estabilizadora auxilia na rodagem e absorção de impacto. Apesar disso é mais baixo e raspa com certa facilidade nas valetas por ser mais “bicudo”. O Sandero é mais alto, tem suspensão traseira com eixo de torção, porém não conta com barra estabilizadora, o que faz o carro “pular” em buracos e lombadas.

Segurança, garantia e manutenção

Marcos Camargo

No quesito segurança outro ponto para o Chevrolet que traz seis airbags de série além de controle de estabilidade e tração de série. O Renault não tem essa tecnologia embarcada e conta só com duas bolsas infláveis. A garantia de ambos é de três anos porém o pacote de manutenção até 60.000km tem uma diferença grande. A Renault cobra R$ 3,3 mil nas seis primeiras revisões enquanto a GM faz o mesmo por R$ 2.800. E tudo está na mão da obra porque as peças do Renault são mais baratas o que pode nos fazer concluir que a marca precisa oferecer preços mais competitivos no seu pós venda.

Tudo tem um preço

Marcos Camargo

Diante dos dados apresentados é possível dizer que o Sandero é imbatível no espaço interno e na economia de combustível mas estes não são os únicos quesitos aqui. O Chevrolet está muito à frente em modernidade do projeto, conforto para rodar e solução mecânica com direção elétrica e câmbio de seis marchas. E tudo tem um preço na vida.

Atualmente o Onix LT custa R$ 55.790, porém a versão avaliada conta com o pacote R7E que inclui a boa multimídia, carregador de celular por indução, chave presencial com partida por botão e outros itens o custo do carro sobe para R$ 61 mil. Já o Sandero na versão Zen tem preços a partir de R$ 49.990 que é justamente o valor da versão avaliada.

Se o comprador não exige um design atualizado e um carro mais equipado pode comprar o Renault sem medo de ser feliz. Mesmo com revisões caras suas peças são mais em conta no mercado de reposição e no fim das contas a economia de 20% no valor do carro não é nada desprezível. Apesar disso o Chevrolet faz jus à fama de carro mais vendido. É mais confortável, equipado, seguro e barato de manter. Mas cobra seu preço: R$ 61 mil, bem à frente do rival.

*Com a colaboração de Guilherme Magna

Últimas