Luiz Fara Monteiro Divulgado relatório sobre incêndio em avião da Ethiopian que viria ao Brasil

Divulgado relatório sobre incêndio em avião da Ethiopian que viria ao Brasil

Boeing 777 cargueiro se incendiou no Aeroporto de Xangai em 2020. Documento revelado hoje desmente versão deque o fogo poderia ter começado em baterias de íons de lítio no porão do cargueiro

Boeing 777 da Ethiopian incendiado em Xangai: relatório final é divulgado
Boeing 777 da Ethiopian incendiado em Xangai: relatório final é divulgado The Aviation Herald

O The Aviation Herald reproduziu nesta segunda-feira (5) o relatório final de um acidente ocorrido em 22 de julho de 2020 e, Xangai, na China, quando um avião se incendiou no pátio do aeroporto. De acordo com o documento, a investigação concluiu que a causa mais provável do incêndio foram pastilhas de desinfecção com dióxido de cloro, um composto que pode se inflamar espontaneamente em altas temperaturas e ambiente úmido. Assista ao final do texto o vídeo que mostra o incêndio.

O Boeing 777-200 da Ethiopian Airlines, matrícula ET-ARH realizando o voo ET-3739 de Shanghai Pudong (China) para Addis Abeba (Etiópia), preparava-se para decolar no pátio, quando por volta das 15:57L (07:57Z) foi observada uma fumaça na parte de trás da aeronave. Os serviços de emergência responderam e extinguiram o incêndio por volta das 17:01L (09:01Z). Nenhum ferido foi relatado. A aeronave sofreu danos substanciais.

A aeronave chegou com segurança como voo ET-3738 (dep 21 de julho) de Bruxelas (Bélgica) para Shanghai Pudong (China) e taxiou para o pátio por volta das 11:53L (03:53Z).

A Autoridade de Aviação Civil da China abriu uma investigação.

A Ethiopian Airlines confirmou que a aeronave pegou fogo em Xangai. Ele estava programado para voar de Xangai para Addis Abeba (Etiópia) e depois para São Paulo,SP (Brasil) e San Diego,CA (EUA).

Em 26 de agosto de 2020, o NTSB informou que designou um representante credenciado para auxiliar na investigação da Administração de Aviação Civil da China (CAAC), de acordo com o Anexo 13 da ICAO, representando o estado de fabricação e design da aeronave.

De acordo com o Media Reports na China, o relatório final foi obtido por alguns meios de comunicação, no entanto, nunca foi publicado e também não está disponível no banco de dados de relatórios da ICAO. De acordo com esses relatos da mídia, a causa do incêndio não foi causada por baterias ou componentes elétricos da aeronave.

Em vez disso, a investigação concluiu que a causa mais provável do acidente foram os comprimidos de desinfecção com dióxido de cloro, que em altas temperaturas e ambiente úmido se inflamaram espontaneamente.

A investigação informou que a aeronave havia sido carregada com 69,3 toneladas de carga, incluindo quatro remessas contendo baterias de íon-lítio. No entanto, após inspeção detalhada, descobriu-se que as baterias estavam intactas internamente, embora apresentassem descoloração externamente, demonstrando que as baterias havia sido afetado por calor/fogo do lado de fora. Na posição que mostrava o maior dano dentro do compartimento de carga, um carregamento contendo pastilhas de dióxido de cloro havia sido carregado. Esses comprimidos foram classificados como um material de limpeza de nano liberação lenta (usado para evitar a construção de um escudo de desinfecção para evitar epidemias), os comprimidos foram classificados como "bens perigosos", o Instituto de Pesquisa da Indústria Química local afirmou que o material era principalmente um oxidante e corrosivo secundariamente .

Experimentos confirmaram que os comprimidos eram suscetíveis à ignição espontânea em temperaturas próximas a 80 graus C e condições de umidade. No momento do acidente, a temperatura ambiente externa era de 34 graus C. Outros experimentos demonstraram que dentro dos paletes no compartimento de carga as temperaturas de 80 graus C foram alcançadas nessas condições, causando condensação dentro das películas dos comprimidos. Estas eram condições suficientes para que ocorresse a combustão espontânea.

Em 5 de junho de 2023, o The Aviation Herald conseguiu obter o relatório final apenas em chinês(Nota editorial: para servir ao propósito de prevenção global da repetição de causas que levam a uma ocorrência, seria necessária uma liberação adicional oportuna de todos os relatórios de ocorrência no único idioma de aviação mundial, o inglês, uma liberação apenas em chinês não atinge esse objetivo, pois definido pelo anexo 13 da ICAO e força muitos aviadores a gastar muito mais tempo e esforço tentando entender as circunstâncias que levaram à ocorrência. ler/escrever/falar inglês para se comunicar com seus colegas em todo o mundo).

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas