Luiz Fara Monteiro EUA ordenam que aéreas paralisem mais de 170 modelos Boeing737MAX9

EUA ordenam que aéreas paralisem mais de 170 modelos Boeing737MAX9

Determinação da Administração Federal de Aviação para inspeção vem após aeronave da Alaska Airlines fazer um pouso de emergência por causa da explosão de um painel lateral na fuselagem do avião durante um voo

Máscaras de oxigênio para passageiros penduradas no teto
Máscaras de oxigênio para passageiros penduradas no teto Reprodução

A Administração Federal de Aviação ordenou hoje que as companhias aéreas paralisassem mais de 170 aeronaves do modelo 737 Max 9 para inspeções, um dia depois que um painel lateral de uma delas explodiu no meio de um voo da Alaska Airlines voo. 

A diretiva de aeronavegabilidade de emergência afetará cerca de 171 aviões em todo o mundo e aplica-se às companhias aéreas e transportadoras dos EUA que operam em território dos EUA.

O voo 1282 da Alaska Airlines tinha como destino Ontário, Califórnia, quando retornou a Portland, Oregon, logo após a decolagem na sexta-feira, depois de um problema de pressurização ter sido detectado. Nenhum ferimento grave foi relatado no voo, de acordo com autoridades federais de segurança. O voo retornou a Portland, Oregon.

Imagens e vídeos do Boeing  737 Max 9 do Alasca compartilhados nas redes sociais mostraram um buraco na lateral do avião e passageiros usando máscaras de oxigênio antes de retornar a Portland.

“A segurança continuará a orientar nossa tomada de decisões à medida que auxiliamos na investigação do NTSB sobre o voo 1282 da Alaska Airlines”, disse o administrador da FAA, Mike Whitaker, em um comunicado.

A Alaska Airlines disse durante a noite de sexta que paralisaria sua frota de aviões Boeing 737 Max 9. Já hoje pela manhã, a companhia informou que completou inspeções em mais de um quarto de sua frota 737 Max 9 “sem descobertas preocupantes”.

“As aeronaves retornarão ao serviço assim que suas inspeções forem concluídas com toda a nossa confiança”, disse a companhia aérea com sede em Seattle.

O National Transportation Safety Board (NTSB) enviou uma equipe a Portland para investigar o incidente.

Enquanto isso,  a United Airlines, maior operadora de aviões nos EUA, preparava-se para aterrar dezenas de seus Boeing Aeronaves 737 Max 9 para inspeções, informou a CNBC no início do sábado.

A United tem cerca de 80 aviões em sua frota, embora alguns dos jatos tenham passado recentemente por inspeções de rotina aprofundadas.

A FAA disse que as inspeções levarão entre quatro e oito horas por avião.

O Boeing 737 Max 9 é uma versão maior do jato mais vendido da Boeing, o 737 Max 8. Os aviões Max tiveram as operações paralisadas em todo o mundo em 2019, depois de dois acidentes fatais em cinco meses. Os EUA suspenderam a proibição de voo dos jatos no final de 2020, após atualizações de software e treinamento.

O Boeing 737 Max 9 tem uma porta de saída de emergência cortada atrás das asas para uso em configurações de cabine com assentos densos, como as usadas por companhias aéreas econômicas, de acordo com Flightradar24.

“As portas não são ativadas nas aeronaves da Alaska Airlines e ficam permanentemente ‘conectadas’”, disse o Flightradar24.

“A segurança é a nossa principal prioridade e lamentamos profundamente o impacto que este evento teve sobre os nossos clientes e seus passageiros”, disse a Boeing em comunicado no sábado. “Concordamos e apoiamos totalmente a decisão da FAA de exigir inspeções imediatas dos aviões 737-9 com a mesma configuração do avião afetado.”

A empresa disse que está apoiando a investigação do NTSB.

Existem 215 aviões Boeing 737 Max 9 em serviço em todo o mundo, de acordo com a empresa de dados de aviação Cirium.

No final do ano passado, a Boeing instou as companhias aéreas a  inspecionar as aeronaves  em busca de um “possível” parafuso solto no sistema de controle do leme, a mais recente de uma série de falhas de fabricação em jatos Boeing que levaram a inspeções adicionais.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas