Luiz Fara Monteiro Piloto sul-africano faz pouso de emergência ao descobrir serpente em avião

Piloto sul-africano faz pouso de emergência ao descobrir serpente em avião

Aviador que transportava 4 passageiros em um bimotor Beechcraft Baron 58 viu a cobra ao lado de seu banco e manteve a calma para pousar em segurança no aeroporto mais próximo

Cobra-do-cabo, uma das espécies mais venenosas da África do Sul, foi vista a bordo de um voo com passageiros
Cobra-do-cabo, uma das espécies mais venenosas da África do Sul, foi vista a bordo de um voo com passageiros Reprodução

O piloto sul-africano Rudolf Erasmus foi forçado a executar um pouso de emergência depois que descobriu um passageiro indesejado no meio do voo de seu Beechcraft Baron 58, na última segunda-feira (3).

Erasmus disse que estava a 11.000 pés com quatro passageiros quando sentiu algo frio contra seu quadril. Ao olhar para baixo, viu uma Cape Cobra (Naja Nivea), uma das serpentes mais venenosas da África do Sul, deslizando ao seu lado.

“Voamos de Worcester e paramos no Aeroporto Internacional Bram Fischer, [na província de] Bloemfontein, para reabastecer e comer alguma coisa. Embarcamos novamente e seguimos para o Aeroporto Nacional Wonderboom, com destino final ao antigo Nelspruit Airfield”, disse Erasmus. Estávamos navegando a 11.000 pés no ar quando senti algo frio contra meu quadril.”

Erasmus disse que inicialmente pensou que era o vazamento de sua garrafa de água, até que ele olhou para baixo e viu a cabeça de uma cobra, que ele pensou ser uma cobra-do-cabo.

“Fiquei paralisado por um minuto ou dois, porque não queria que os passageiros entrassem em pânico. Eu os informei que uma cobra estava embaixo do meu assento na cabine e eu precisava pousar o avião o mais rápido possível. Felizmente todos permaneceram calmos.”

Erasmus disse que contactou as autoridades na região, que o autorizou a pousar no aeroporto mais próximo em Welkom, a segunda maior cidade da província de Free State.

O aviador afirmou que levou entre 10 e 15 minutos para executar o pouso.

Os passageiros foram os primeiros a desembarcar.

“Eu fiquei na asa do avião e movi o assento para a frente para tentar localizar a cobra, que estava enrolada embaixo do meu assento. Era uma espécie bem grande."

A "cobra-do-cabo", espécie típica sul-africana, também é conhecida como geelslang (cobra-amarela) e bruinkapel (cobra-marrom) e pode medir até 1,4 metro.

Homens tentam localizar a cobra, que se escondeu dentro do avião
Homens tentam localizar a cobra, que se escondeu dentro do avião Brian Emmenis

Um profissional foi chamado para capturar a serpente, que saiu de debaixo do banco e se escondeu em outro ponto da aeronave. O comentarista oficial do Lowveld Airshow, Brian Emmenis, que é membro do mundo da aviação sul-africana há 40 anos e ganhou vários prêmios em segurança da aviação, estava no aeroporto de Welkom logo após o pouso de Erasmus na segunda-feira.

“Devo elogiar Rudolf Erasmus pela forma como lidou com a situação,” disse Emmenis.

Ele disse que Erasmus teve que se concentrar em pilotar a aeronave em um clima muito ruim, sabendo que a cobra estava a bordo, e conseguiu pousar o avião e tirar os passageiros com segurança.

Emmenis disse que, ao chegar, ligou para o chefe do Corpo de Bombeiros local para enviar o caçador de cobras, que trabalhou até tarde da noite para tentar encontrar a cobra. Inicialmente foi espalhada uma camada de farinha ao redor da aeronave, de modo que, se a cobra saísse, deixaria um rastro, mas quando todos voltaram ao aeroporto na manhã de terça, 4 de abril, a cobra parecia estar no avião ainda.

Emmenis disse que os quatro passageiros voltariam para Mbombela e que Erasmus ficaria com o avião enquanto o engenheiro retirava as peças para procurar a cobra.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas