"Protestos do Chile não se repetirão no Brasil", diz Marcos Pereira

Vice-presidente da Câmara fala a jornal espanhol ABC sobre economia brasileira, a imagem internacional do país e o avanço dos evangélicos

Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Perspectivas da economia brasileira, reforma da previdência, avanço dos evangélicos, protestos no Chile e taxa de juros. Os temas mereceram destaque do deputado federal Marcos Pereira (Republicanos-SP), primeiro vice-presidente da Câmara dos Deputados, em entrevista concedida ao ABC, um dos mais importantes jornais da Espanha, e publicada neste sábado (2).

"Brasil tem hoje mais de 40 milhões de evangélicos, o que corresponde a 20% da população", contabilizou. "Esse crescimento, sem querer criticar, se deve também ao distanciamento da Igreja Católica do povo, não só no discurso, mas também na prática", analisou. 

O deputado chamou atenção também para a situação no Chile. “O que se vive hoje por lá não será replicado no Brasil”, afirmou Pereira. “Tivemos um processo semelhante em 2013, motivado por um aumento no preço das passagens em São Paulo. As coisas começaram a partir de um pequeno problema, se espalharam, mas depois tudo se estabilizou. Nós já tivemos esse sarampo”, acrescentou, numa referência à onda da doença que afeta alguns estados brasileiros.

A inflação e a taxa de juros no Brasil também mereceram atenção do deputado. “O número de desempregados caiu para 12,8 milhões, ainda é evidentemente alto, mas, com o crescimento econômico, projetado para 2% e 3,5%, nos dois próximos anos, as pessoas viverão melhor”.

Pereira destacou também a taxa de juros de 5% ao ano, “a menor da história do Brasil”, e a necessidade de um bom relacionamento com a Argentina, “destino de uma parcela fundamental de nossas exportações”.

O deputado revelou ainda que viajará para Genebra em dezembro, na companhia do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para conversas com representantes da Organização Mundial do Comércio (OMC) e as Nações Unidas.