Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Renda Extra
Publicidade

O que é o Banco Central e qual a importância dele para o seu bolso?

As autoridades monetárias dos países são responsáveis por garantir a solidez do dinheiro e determinar as taxas de juros

Renda Extra|Johnny Negreiros, do R7*


Os juros são o valor do dinheiro
Os juros são o valor do dinheiro

O Banco Central (BC) tomou conta dos noticiários do Brasil neste ano. Isso porque o governo federal tem criticado a atual taxa de juros, fixada em 13,75% ao ano pelo BC.

No entanto, é comum ter dúvidas sobre o que é o Banco Central, o que ele faz e como suas decisões afetam o bolso do trabalhador.

O que é

O Banco Central é a autoridade monetária do Brasil. Em outras palavras, ele é o responsável pela credibilidade do real, a moeda do país.

A autarquia faz isso com o SFN (Sistema Financeiro Nacional), que reúne, além do BC, autoridades responsáveis por fiscalizar e solidificar o dinheiro brasileiro.

Publicidade

Ou seja, se alguém vai à padaria e usa uma nota de R$ 5 para comprar pão, é o BC que garante que aquele dinheiro usado é confiável. Na teoria, se essa instituição financeira não existisse, a cédula seria apenas um pedaço de papel.

Vale lembrar que bancos centrais existem em quase todos os países justamente com esse objetivo.

Publicidade

Quais as funções

O BC tem quatro principais funções:

• Administrar o dinheiro em circulação na economia;

Publicidade

• Cuidar das reservas internacionais, que são fundos de capital em dólares que trazem segurança a investidores estrangeiros para que ponham dinheiro no Brasil;

• Incentivar as pessoas a economizar dinheiro;

• Cuidar do SFN.

O que ele faz

A autarquia tem alguns instrumentos para cumprir com essas obrigações. Porém, o principal deles, o que mais afeta o bolso do brasileiro, é a taxa Selic.

Ela nada mais é do que a taxa básica de juros da economia brasileira. Ou seja, é o valor do dinheiro, do real. Por causa disso, todos os setores são influenciados por ela, direta ou indiretamente.

Na prática: se a Selic aumenta, fazer um empréstimo com um banco fica mais caro. Outra consequência é o crescimento do pagamento de dívidas.

Leia também

O índice tem sido mantido em 13,75% ao ano desde 2022. No entanto, ele está em patamar elevado demais, segundo boa parte dos economistas. Para ter uma ideia, o Brasil possui hoje o maior juro real do mundo (taxa de juros — inflação), com 7,38%.

Entre os estudiosos, há uma linha que defende afrouxamento dos juros. A ideia é que, com patamares menores, maior o consumo, maior o crédito e, assim, a economia cresce.

Por causa disso, o presidente Lula da Silva (PT) tem atacado pessoalmente o comandante do Banco Central, Roberto Campos Neto, e a instituição em geral.

Por outro lado, há economistas que ressaltam os danos da inflação à economia. Com juros maiores, o aumento de preços tende a ser menor e, dessa forma, o poder de compra do trabalhador é maior.

A alta de 0,71% da inflação oficial de preços no último mês de março fez o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) apresentar alta de 4,65% no acumulado dos últimos 12 meses.

Assim, ele retornou ao intervalo da meta preestabelecida pelo governo. Os dados são do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A inflação perseguida pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) para 2023 é de 3,25%, com margem de tolerância de 1,5 ponto (de 1,75% para 4,75%).

O índice não foi cumprido nos últimos dois anos. O patamar atual do IPCA é 0,1 ponto percentual inferior ao limite.

Apesar do movimento, o BC afirma que a chance de o IPCA fechar 2023 dentro da meta ainda é remota, de apenas 17%. Já os analistas do mercado financeiro preveem alta de 5,98% no acumulado dos 12 meses encerrados em dezembro.

* Estagiário do R7, sob supervisão de Ana Vinhas.

JR Dinheiro: veja como saber se você tem dinheiro 'esquecido' em contas bancárias a receber

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.