Alerj decide abrir processo de impeachment contra Witzel

Ao todo, foram protocolados 14 pedidos de afastamento contra o governador do Rio na Casa, após ele ter sido alvo de operação Placebo

Witzel terá que se defender de processo na Alerj

Witzel terá que se defender de processo na Alerj

Reprodução/RecordTV Rio

A Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) decidiu nesta quarta-feira (10) pela abertura do processo de impeachment contra o governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), em sessão por videoconferência.

Veja também: Marielle: bombeiro preso pode ser investigado por lavagem de dinheiro

Dos 70 parlamentares, 69 votaram a favor pela instauração do procedimento na Casa. Não houve nenhuma manifestação contrária, apenas uma ausência.

O presidente da Alerj, André Ceciliano (PT), poderia ter tomado a decisão sozinho, mas abriu para consulta ao plenário.

O requerimento que será levado adiante foi apresentado pelos deputados Luiz Paulo e Lucinha, ambos do PSDB, e se baseiam nas denúncias relacionadas a desvios na saúde estadual. Outros seis requerimentos foram arquivados na mesma decisão.

Ao todo, haviam sido protocolados 14 pedidos de afastamento contra o governador do Rio, após ele ter sido alvo da operação Placebo.

“Estou triste porque o Rio de Janeiro registrou ontem praticamente sete mil mortes de covid-19, os hospitais de campanha custaram R$ 850 milhões em roubo e desperdício e só temos um deles até agora. Corrupção é crime e em meio a uma epidemia, é crime hediondo, contra a humanidade. Por isso, abri esse processo jurídico, sendo garantidos a ampla defesa e o direito do contraditório”, disse o deputado Luiz Paulo (PSDB).

Agora, o próximo passo é publicar a decisão em Diário Oficial em um prazo de 48 horas para que os partidos indiquem representantes para a Comissão Especial que vai analisar a denúncia. O prazo conta a partir de segunda-feira (15).

Em nota, o governador Wilson Witzel disse que recebe com "espírito democrático e resiliência a notícia do início da tramitação do processo de impeachment pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro."

*Sob supervisão de Bruna Oliveira