Casa onde adolescente foi morto tem 72 marcas de tiros, diz entidade

Informação é da organização não governamental Rio de Paz, que mandou representantes ao local para prestar assistência à família

Casa onde adolescente foi morto tem 72 marcas de tiros, diz entidade

Casa onde vítima foi morta
 está com 72 marcas de tiro

Casa onde vítima foi morta está com 72 marcas de tiro

Record TV

A casa onde o adolescente João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos, foi morto na segunda-feira (18), está com 72 marcas de tiro. João Pedro foi atingido durante uma operação policial no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. A informação é da organização não governamental Rio de Paz, que mandou representantes ao local para prestar assistência à família.

O articulador social da entidade, João Luis Silva, acompanhou o sepultamento e, logo após, foi até a casa onde filmou e contou as marcas nas paredes internas da casa. Ele também diz que os parentes do menino relataram diversas irregularidades na ação policial.

“Logo após o sepultamento, nós fomos com parentes e líderes comunitário ver em que estado ficou a casa depois dessa operação desastrosa. Tivemos acesso à residência e nos foi informado que a perícia tinha sido feita na hora. Eu contei 72 buracos. Entre buracos na janela da sala, na parede da sala, na parede do quarto, e também buracos em um outro cômodo que fica fora da casa. E um disparo acertou a TV”.

Inquérito

A Polícia Civil informou que a Corregedoria-Geral da corporação instaurou sindicância administrativa disciplinar “para apurar a conduta dos policiais civis que participaram da ação no Complexo do Salgueiro”.

A corporação informou que o inquérito para apurar a morte de João Pedro, “ferido durante operação da Polícia Federal com apoio da Core (Coordenadoria de Recursos Especiais)”, foi instaurada pela DHNSGI (Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí).

“Foi realizada perícia no local e testemunhas prestaram depoimento na delegacia. Os policiais já foram ouvidos e as armas apreendidas para confronto balístico. O piloto do helicóptero prestará depoimento e familiares também serão ouvidos. Os laudos periciais estão sendo analisados e outras diligências estão sendo realizadas para esclarecer as circunstâncias do fato”.

A Polícia Federal, que participava da operação no Salgueiro com a Polícia Civil, informou que não vai se manifestar sobre a questão, já que “há investigação em curso na Polícia Civil para apurar o fato”.

Operação

O objetivo da operação conjunta da Polícia Civil e da Polícia Federal era cumprir dois mandados de busca e apreensão contra lideranças de uma facção criminosa em São Gonçalo. Segundo o relato de moradores do local, a casa é do avô de João Pedro e reunia no momento da ação policial seis crianças e adolescentes, sendo João Pedro um dos mais velhos. Elas jogavam sinuca no quintal quando ouviram a aproximação de um helicóptero e disparos de armas de fogo, indo se refugiar dentro de casa. Quando os policiais entraram na casa disparando, os jovens começaram a pedir ajuda pelo telefone, pelo WhatsApp.

Após ser atingido, João Pedro foi levado pelos policiais de carro, com o auxílio de um primo do menino, e depois transportado de helicóptero. Ele só foi localizado pela família por volta das 4h de ontem (19) já no IML, sem registro da passagem dele por nenhum hospital. A ação ocorreu na tarde de segunda.

Denúncia à ONU

O assassinato de João Pedro foi denunciado à ONU (Organização das Nações Unidas) e à OEA (Organização dos Estados Americanos) pela deputada estadual Renata Souza (PSOL), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio), junto com o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ).

A denúncia envolve também a morte de pelo menos 12 pessoas em uma operação no Complexo do Alemão, zona norte do Rio de Janeiro, na sexta-feira (15).

Repercussão

A Anistia Internacional Brasil e Justiça Global, em conjunto com o Coletivo Papo Reto de comunicação comunitária, com sede no Complexo do Alemão, divulgaram uma nota conjunta em que condenam as operações policiais ocorridas no Alemão e no Complexo do Salgueiro.

As entidades cobram explicações do Governo do Estado do Rio de Janeiro e do MPE (Ministério Público Estadual) sobre as operações no contexto da pandemia de covid-19, que, segundo a nota, prejudicam as medidas de proteção dos moradores das favelas nesse período de isolamento social e as atividades humanitárias emergenciais como a distribuição de cestas básicas para os mais necessitados.

“Exigimos que as polícias adotem os mesmos parâmetros de atuação em todos os territórios do Estado e das cidades e só realize operações quando tiverem a total garantia de que as vidas de todos e todas os moradores estejam protegidas. Exigimos também que os agentes do Estado, que podem ser veículos de transmissão da covid-19, tomem as medidas necessárias para a proteção da saúde e da vida dos moradores das comunidades”, disse a nota.

Em nota, o governo do estado disse que o governador Wilson Witzel, “já determinou rigorosa investigação sobre o caso e prometeu encaminhar todas as demandas apresentadas para os secretários de Estado de Polícia Militar, coronel Rogério Figueredo, e de Polícia Civil, Marcus Vinicius”.

Ontem (19), Witzel se reuniu por videoconferência, com representantes da Anistia Internacional, lideranças comunitárias e a deputada estadual Mônica Francisco, quando lamentou a morte do adolescente João Pedro Mattos Filho.
O governador também falou das ações adotadas nas comunidades durante a pandemia do novo coronavírus, como abastecimento de água e sanitização de vias e espaços públicos, becos, vielas e escadarias.

Procurado, Ministério Público Estadual não se manifestou sobre a nota conjunta, até a publicação desta matéria.