Rio de Janeiro Cremerj investiga cirurgião preso sob suspeita de manter paciente em cárcere privado

Cremerj investiga cirurgião preso sob suspeita de manter paciente em cárcere privado

Justiça determinou a transferência da mulher, de 36 anos, para outra unidade de saúde indicada pela família

  • Rio de Janeiro | Do R7, com Record TV Rio

Médico foi preso temporariamente pela polícia

Médico foi preso temporariamente pela polícia

Record TV Rio

O Cremerj (Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio) abriu uma sindicância para investigar o cirurgião plástico Bolívar Guerrero Silva. O equatoriano foi preso na segunda-feira (18) sob suspeita de manter uma paciente em cárcere privado em um hospital de Caxias, na Baixada Fluminense. O procedimento ético-disciplinar está sob sigilo. 

Segundo parentes, a mulher, de 36 anos, foi impedida de trocar de unidade após apresentar complicações em dois procedimentos estéticos — uma plástica na barriga e um implante de silicone — realizados pelo médico.

Ontem, a Justiça determinou a transferência da paciente para outro hospital indicado pela família e a prisão temporária do médico por 30 dias.

A delegada Fernanda Fernandes, da Deam (Delegacia de Atendimento à Mulher) da região, investiga o caso. "A gente entendeu que a situação da vítima e a negativa de transferência relatadas pela vítima e por testemunha traduziriam uma impossibilidade da vítima de ser atendida em outra unidade porque a gente não tinha resposta oficial do hospital com relação ao prontuário e ao relatório médico para a gente poder avaliar com a perícia a real gravidade dessa vítima", disse.

Em entrevista à Record TV Rio, o pai da paciente disse estar preocupado com a saúde da filha. "Ela está com um buraco na barriga, está com um aparelho lá dentro. A situação dela não está boa", afirmou Paulo Lacerda. 

Segundo a polícia, Bolívar Guerrero Silva é sócio e atua no hospital particular onde a paciente estava internada, em Caxias. Em nota, a unidade negou as acusações de cárcere privado e disse repudiar quaisquer práticas criminosas. Informou ainda que ele não pertence ao quadro societário da empresa.

Últimas