Rio de Janeiro “Ele era pai de quatro filhos”, diz mãe de professor morto no Alemão

“Ele era pai de quatro filhos”, diz mãe de professor morto no Alemão

Instrutor de jiu-jítsu em projeto social no Complexo do Alemão foi atingido quando chegava para dar aula; testemunhas dizem que disparo partiu da PM

“Pai de quatro filhos. Quem vai sustentar?”, diz mãe de professor morto

Jean Rodrigo foi morto a caminho de projeto social

Jean Rodrigo foi morto a caminho de projeto social

Record TV

Jean Rodrigo da Silva Aldrovande, de 39 anos, foi morto na última terça-feira (14) após ser atingido durante um confronto da Polícia Militar com traficantes, no Complexo do Alemão, zona norte do Rio. Ele foi baleado em frente ao projeto social onde dava aulas de jiu-jítsu para moradores da comunidade.

Leia também: Não podemos ignorar o Estado fuzilando civis', diz ministra que votou por prisão de militares que mataram músico e catador

Segundo testemunhas, a bala que matou Jean foi disparada pela Polícia Militar. O caso deu início a um protesto dos moradores do Alemão e a família do instrutor de jiu-jítsu.

“Meu filho era pai de quatro filhos. Quem vai sustentar os filhos do meu filho? Esses infelizes, todos eles! Mandam a polícia vir para rua para matar”, disse Sandra Mara, mãe de Jean.

Um dos alunos do instrutor estava no momento dos disparos e também foi atingido, na perna.

“Isso aqui é um projeto social, isso aqui é dentro de uma comunidade. Quase ninguém quer fazer um projeto social assim. Ele 'meteu a cara' com a ajuda dos alunos”, contou Andrea Marques Rios, enquanto chorava abraçada ao quimono de seu marido.

O carioca foi vice-campeão estadual no último mês e se preparava para disputar uma competição nacional de jiu-jítsu.

A Polícia Civil informou que o caso será investigado pela DH-Capital (Delegacia de Homicídios), que busca imagens e possíveis testemunhas que possam ajudar a solucionar a origem do disparo que matou Jean.

Em nota, a Polícia Militar disse que após o confronto foi informada que havia feridos na comunidade (confira a nota abiaxo na íntegra), mas não comentou sobre a acusação dos moradores.

“Um policial despreparado pega um fuzil e dá um tiro na cabeça do meu filho dizendo que foi sem querer? Que foi por um acaso porque estava trocando tiro?” questinou Carlos Alberto Aldrovande, pai da vítima.

"A Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar informa que, na tarde de terça-feira (14/05), equipes das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) do Complexo do Alemão em patrulhamento pela Estrada Velha da Pavuna com a Rua Carmem Cinira, Inhaúma, foram alvo de disparos de arma de fogo realizados por dois criminosos em duas motos. Houve confronto. Após o terreno estabilizado, a guarnição procedeu para a delegacia para registrar o fato.

Posteriormente, outra equipe policial em patrulhamento foi informada que um homem estaria ferido no Hospital Estadual Getúlio Vargas e havia outro morto na Rua Canitar. Chegando ao local, os policiais constataram o fato e já se depararam com uma manifestação na Estrada Adhemar Bebiano, tendo então atuado para estabilizar a região. A Delegacia de Homicídios foi acionada.

O comando da Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) ouviu os policiais e iniciou procedimento apuratório par a averiguar as circunstâncias das ocorrências."

*Estagiário do R7, sob supervisão de PH Rosa