Rio de Janeiro Família aponta negligência em festa onde jovem morreu eletrocutada

Família aponta negligência em festa onde jovem morreu eletrocutada

Segundo Gabriella Lima, irmã de Maria Fernanda de Lima, evento não prestou socorro à vítima; Polícia Civil fez perícia e ouviu organizadores de festa

morte eletrocutada

Maria Fernanda foi eletrocutada após encostar em grade energizada

Maria Fernanda foi eletrocutada após encostar em grade energizada

Reprodução

Uma jovem cheia de sonhos, que queria conhecer o mundo, mas teve sua trajetória interrompida durante um grande evento realizado no último fim de semana. Maria Fernanda Ferreira de Lima, de 20 anos, morreu após sofrer uma descarga elétrica durante uma festa no Terreirão do Samba, no centro do Rio, na madrugada de domingo (14).

Segundo amigos e familiares , Maria Fernanda cursava o primeiro período de Odontologia e gostava de festas como a Puff Puff Bass, onde aconteceu o que eles chamaram de negligência. A jovem teria sido eletrocutada após encostar em uma grade que estava sobre um fio elétrico desencapado.

Gabriella Lima, irmã de Maria Fernanda, diz ter ouvido de amigos dela que também estavam na festa que a estrutura não estava adequada para o tamanho do evento.

“Eles tinham que fiscalizar o local. Tinha fio desencapado. Tudo aconteceu por negligência. Como faz uma festa com uma estrutura dessas e não tem fiscalização?”

Gabriella disse também que a organização não prestou nenhum apoio a jovem nem à família.

“Eles foram nojentos porque pararam a festa, pediram desculpas por pararem o “rolê” já que uma jovem tinha passado mal. E depois voltaram com a festa. Essa atitude foi repugnante.”

Nas redes sociais, frequentadores do evento relataram que havia, próximo ao bar, uma caixa de alta tensão próxima a uma poça de água.

Em nota publicada na página oficial do evento, os organizadores afirmaram que ficaram sabendo do incidente por volta das 4h e que uma equipe médica de plantão socorreu a jovem ao hospital Souza Aguiar, próximo ao local da festa.

"Estamos totalmente desolados com o ocorrido e ficamos inteiramente à disposição para qualquer suporte necessario. Estamos trabalhando junto a autoridades competentes para esclarecer de fato o que provocou tal fatalidade. Assim que tivermos um parecer técnico do ocorrido, voltaremos para esclarecer mais infos. O dia é de extrema tristeza e de luto", diz a nota.

O caso está segundo investigado pela 6ª DP (Cidade Nova), que já ouviu os organizadores do evento e os administradores do espaço.

De acordo com a Secretaria Municipal de Cultura, os organizadores de eventos no Terreirão do Samba precisam apresentar uma série de documentos, entre eles alvará, nada a opor da polícia, certificados de ambulância, segurança e brigada. O órgão está abrindo sindicância para apurar as responsabilidades acerca do cumprimento dos pré-requisitos.

A secretaria ainda informou que o contrato para realização de eventos é padrão: o Terreirão cede o espaço , o organizador entra com toda infraestrutura - equipamentos, segurança, limpeza, equipes de atendimento médico etc - e retorna para o equipamento cultural 15% da arrecadação de bilheteria.

Participaram da festa cerca de 6 mil pessoas. A capacidade do Terreirão é de 15 mil.

Homenagens

Amigos e familiares publicaram diversas mensagens homenageando a jovem nas redes sociais. Em sua página oficial, a Universidade Veiga de Almeida, onde Maria Fernanda estudava, divulgou uma nota de pesar afirmando que, “em solidariedade e respeito à aluna e aos colegas de turma, não haverá aulas nesta segunda e terça-feira para os discentes [alunos] de primeiro e segundo períodos de odontologia”.