Rio de Janeiro Governo do RJ cobrava "caixinha de propina" para repassar verbas 

Governo do RJ cobrava "caixinha de propina" para repassar verbas 

Em esquema revelado pelo empresário Edson Torres, foram feitos desvios financeiros do Fundo Estadual de Saúde a sete municípios

Governador é investigado por corrupção no RJ

Governador é investigado por corrupção no RJ

Antonio Cruz/Agência Brasil

A investigação contra o governador afastado Wilson Witzel (PSC) apontou mais um suposto esquema de desvio na área da Saúde do RJ, uma cobrança de de 10% para repasse de verbas.

De acordo com a denúncia do MPF (Ministério Público Federal), durante a gestão de Witzel e do ex-secretário Edmar Santos, foram feitos desvios financeiros do Fundo Estadual de Saúde a sete municípios: Petrópolis, São João de Meriti, Paracambi, Itaboraí, Magé, Saquarema e São Gonçalo.

Em depoimento ao MPF, o empresário Edson Torres confirmou a participação na negociação dos repasses e detalhou o funcionamento do esquema liderado pelo governador afastado, segundo a denúncia. 

Sobre a investigação, Witzel Witzel afirmou por meio das redes sociais que se sente "vítima de feroz perseguição política" e que tomou "a decisão de repassar o limite constitucional de 12% para a Saúde e para os municípios".

Além disso disse que se "não fosse essa ação, a pandemia teria sido muito pior no RJ!".

*Sob supervisão de PH Rosa

Últimas